Declaração Universal dos Direitos Humanos completa 70 anos; leia na íntegra

Por Metro Jornal

O mundo celebra nesta segunda-feira, 10 de dezembro, a proclamação do documento que há sete décadas é tido como ferramenta de pressão diplomática e moral sobre governos que violam qualquer um de seus artigos.

A Declaração Universal dos Direitos Humanos tem ao todo 30 artigos para ajudar governos e seus povos a adotarem medidas contínuas de reconhecimento e cumprimento do que está escrito neles.

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS METRO

A Assembleia Geral proclama a presente Declaração Universal dos Direitos Humanos como o ideal comum a ser atingido por todos os povos e todas as nações, com o objetivo de que cada indivíduo e cada órgão da sociedade, tendo sempre em mente esta Declaração, se esforce, através do ensino e da educação, por promover o respeito a esses direitos e liberdades, e, pela adoção de medidas progressivas de caráter nacional e internacional, por assegurar o seu reconhecimento e a sua observância universal e efetiva, tanto entre os povos dos próprios Estados-Membros, quanto entre os povos dos territórios sob sua jurisdição”
Proclamação do documento em 1948

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS METRO Eleanor Roosevelt, mulher do então ex-presidente Franklin Roosevelt (1933-1945), exibe cartaz contendo a Declaração Universal dos Direitos Humanos / Reprodução/Wikipedia

Em fatos

  • O QUÊ
    Adoção da Declaração Universal dos Direitos Humanos, assinada por 58 Estados-Membros da Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas)
  • QUANDO
    Há 70 anos, em 10 de dezembro de 1948
  • ONDE
    No Palais de Chaillot, em Paris
  • POR QUÊ
    A Segunda Guerra Mundial havia terminado três anos antes. Recém-saídos do conflito, países de todos os continentes desejavam paz para poderem se reerguer dos escombros e tentar voltar a crescer
  • COMO
    Em 30 artigos, a Declaração Universal dos Direitos Humanos enumera os direitos humanos, civis, econômicos, sociais e culturais “inalienáveis” e “indivisíveis”. O texto foi inspirado na Declaração de Direitos da Inglaterra, de 1689, na Declaração de Independência dos Estados Unidos, de 1776, e na Declaração dos Direitos Humanos e do Cidadão da França, de 1789
  • QUEM
    Os principais autores do documento foram o canadense John Peters Humphrey, o francês René Cassin, o chinês P.C. Chang, o libanês Charles Malik e a norte-americana Eleanor Roosevelt, que durante dois anos contaram com a colaboração de diversas pessoas ao redor do mundo para sua elaboração
  • FRUTOS
    A Declaração inspirou tratados internacionais do pós-guerra, como as convenções internacionais para banir a discriminação contra as mulheres (1979), as convenções contra a tortura (1984) e pelos direitos das crianças (1990) e a criação da Corte Penal Internacional (1998)
  • ABRANGÊNCIA
    O documento já soma 514 traduções, desde o Abkhaz até o Zulu, passando por um dialeto da língua indígena quéchua falado no noroeste da Bolívia por apenas 116 mil pessoas
  • NO BRASIL
    Os direitos humanos no Brasil são garantidos pela Constituição de 1988, que consagra em seu artigo primeiro o princípio da cidadania, dignidade da pessoa humana e os valores sociais do trabalho
DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS METRO

Na íntegra

Confira a íntegra da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Clique aqui ou na imagem para salvar em alta qualidade.

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS METRO
Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo