Paulinho quer novo modelo para salvar o Consórcio do ABC

Por Cadu Proieti - Metro ABC

Com a iminente saída de três cidades do Consórcio Intermunicipal do ABC, o prefeito de Santo André, Paulinho Serra (PSDB), que também é vice-presidente da entidade, disse na quarta-feira (28) que pretende reunir os sete prefeitos e propor um novo modelo para discussão das pautas de interesse regional.

“Acho que isso tudo mostra que a gente precisa repensar o modelo do Consórcio, porque esse está provado que não funcionou e não funciona. Não tenho nenhuma dúvida de que todos os prefeitos sabem da importância de a gente ter a discussão regional para a implementação de políticas públicas, independente de estar ou não no Consórcio”, afirmou.

A Câmara de São Caetano aprovou anteontem a saída do município do colegiado após projeto de lei de autoria do prefeito José Auricchio Júnior (PSDB). Diadema não faz mais parte do grupo desde julho de 2017 por alegar dificuldades financeiras em arcar com o repasse para custeio.

Leia mais:
Vereadora de Santo André presa em operação é afastada
PF investiga esquema de tráfico internacional de drogas que movimentou R$ 1,4 bi

Os vereadores de Rio Grande da Serra também já aprovaram proposta semelhante, mas de autoria do Legislativo. Em entrevista ao jornal Repórter Diário, o prefeito Gabriel Maranhão (sem partido) disse que ontem faria a oficialização da saída, o que até a noite não tinha sido confirmado pela prefeitura nem pelo Consórcio.

“Essas saídas podem ser uma oportunidade para a gente criar um novo modelo e, a partir daí, implementar políticas mais eficientes e concretas, que hoje estão faltando”, disse o prefeito de Santo André. “Vamos precisar repensar. Vou chamar todos os prefeitos, assim que possível, para entender se todo mundo tem essa mesma intenção”, completou.

Paulinho detalhou qual sua proposta para a entidade. “Acho que o órgão deveria, neste novo modelo, escolher eixos temáticos prioritários. Vejo que hoje se tornou uma oitava prefeitura, e não é esse um bom modelo. A gente tem que estipular pautas ou frentes, como enchentes, mobilidade urbana e saúde, e focar nisso. Não fazer uma estrutura grande, pesada e cara que não dá contrapartida aos municípios. É difícil até explicar ao cidadão comum qual é o papel do Consórcio hoje.”

A reportagem não conseguiu contato com o prefeito de São Bernardo e presidente da entidade regional, Orlando Morando (PSDB), na noite de ontem.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo