Orgânicos crescem 20% ao ano no país com maior busca por alimentos sustentáveis

Por Metro São Paulo
Alex Atala selo Arte / Metro Jornal

Até 2020, o Carrefour pretende dobrar a participação de orgânicos no total de produtos frescos vendidos em suas gôndolas no Brasil. Essa é uma das metas do movimento global da rede francesa Act For Food, lançado aqui neste ano. A estratégia envolve iniciativas para ampliar o acesso a alimentos saudáveis e sustentáveis, como, por exemplo, estabelecer novas parcerias com produtores locais.

A ação está em linha com a crescente demanda de consumidores por alimentos saudáveis, que também tem levado gigantes como Pepsico, Unilever, Coca-Cola, Ambev e Nestlé a reverem suas estratégias.

Segundo o Organics (Conselho Brasileiro da Produção Orgânica e Sustentável), o mercado de orgânicos no país cresce 20% ao ano e pode atingir R$ 4,2 bilhões em 2018.

“Muito se compra em feirinhas. É um mercado que tem crescido muito. Temos 18 mil unidades produtoras, a maioria de pequenos produtores, e estamos chegando a mil feiras em todo o país”, afirma Cobi Cruz, diretor da entidade.

Conheça boas iniciativas de alimentos orgânicos:
Restaurante em Campinas tem projeto de inclusão social
Internet impulsiona alimentos orgânicos no Rio de Janeiro
Hortas urbanas abastecem restaurantes em Curitiba
Instituto Chão promove economia solidária em São Paulo

Isso ajuda a explicar porque 84% dos brasileiros não sabem citar uma marca de orgânicos, segundo pesquisa do Organics. “Os orgânicos têm um conceito de ser uma marca coletiva”, afirma Cruz.

Para ele, a investida de grandes empresas é positiva, por gerar demanda para todo o setor, incluindo, pequenas cooperativas. “Quanto mais empresas forem ‘orgânico’, o mundo vai ser mais orgânico.”

O principal motivo para cada vez mais consumidores buscarem orgânicos é a preocupação com a própria saúde. Mas os impactos políticos e sociais também influenciam diretamente a decisão, afirma o consultor de nutrição Tiago Wendland, 33 anos, que compra orgânicos há sete anos.

“A maior parte do que chega às nossas mesas vem do pequeno produtor e agricultura familiar. O espaço para o orgânico é muito menor se comparado ao do agronegócio”, diz Wendland, destacando ainda os impactos ambientais gerados pela monocultura.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo