Hortas urbanas abastecem restaurantes em Curitiba

Por Metro Curitiba
Alex Atala selo Arte / Metro Jornal

Foi no dia em que a chef Manu Buffara, do promissor restaurante Manu, de Curitiba, encheu três caixas em uma das hortas comunitárias da cidade, perguntou aos moradores quanto custava e teve como resposta: “nada, isso é lixo”, que nasceu o projeto Horta do Chef. O que a comunidade tratava como “lixo”, PANCs (Plantas Alimentícias Não Convencionais), flores, formação de coentro, salsinha, virou alimento sustentável e fonte de renda.

LEIA O METRO DESTA QUARTA-FEIRA (28) COM O EDITOR CONVIDADO ALEX ATALA

O programa Hortas Comunitárias já existia em Curitiba desde 1986, e desde que Manu se envolveu em 2016, o projeto tomou outros contornos. Filha de agricultor, Manu, já próxima de produtores da Grande Curitiba, foi convidada a participar do projeto que uniu cozinheiros e comunidades.

Conheça boas iniciativas de alimentos orgânicos:
Restaurante em Campinas tem projeto de inclusão social
Internet impulsiona alimentos orgânicos no Rio de Janeiro
Instituto Chão promove economia solidária em São Paulo

Das 25 hortas com apoio técnico da prefeitura e seus 433 mil m2, duas, que envolvem 188 famílias no sul da capital paranaense, agora além de abastecerem parte das comunidades vão para a mesa de dez restaurante curitibanos. “A intenção é o próprio chef ir escolher”, diz Manu, que vai de uma a três vezes por semana colher hortaliças e cuidar de uma “horta mãe”, que mantém com novas sementes.

Quando todos ganham

“As comunidades viram a importância que têm para a cidade. De produzir seu próprio alimento, comer bem, diminuir o peso e melhorar a saúde. Descobriram alimentos que antes achavam que era mato e criaram renda”, diz Manu. “Passamos essa educação, de ver o vegetal de outras formas. Por exemplo, com raspas da casca do limão dá para aromatizar óleo, fazer chá, com o bagaço, fazer doces. E ainda leva o que restar para a composteira”, explica a chef, que procura mais duas hortas para dobrar o programa.

Antes de fornecerem parte da produção aos chefs, as hortas estavam com excedente de produção, doando para entidades sociais. “A horta urbana é o resgate do contato com a terra, que muitos pais e avós dessas pessoas tiveram. A do chef é uma mudança de mentalidade, com maior planejamento. Houve uma resistência inicial, mas se adequaram”, diz Luiz Gusi, secretário municipal do Abastecimento.

Além da qualidade na alimentação e a apropriação do espaço pelas famílias, ainda há os benefícios da integração social e da mudança do comportamento ambiental. E o investimento para fazer essa mudança é muito baixo, avalia Gusi.

Em junho, duas hortas receberam o projeto Jardins de Mel, sobre a importância das abelhas para o equilíbrio da biodiversidade do agroecólogo Felipe de Jesus, levado à prefeitura por Manu. Ao todo, dez caixas de colmeias de três espécies de abelhas nativas sem ferrão ajudam a aumentar a qualidade e a produção das hortaliças com a polinização. Os agricultores também estão aprendendo a retirar os subprodutos como própolis e mel.

Manu Buffara tem muito a comemorar, além da expansão e sucesso do Horta do Chef, o seu restaurante, Manu, ganhou no mês passado o prêmio One to Watch (“Para Ficar de Olho”) do Latin America’s 50 Best Restaurants 2018, como o mais promissor da América Latina para entrar na lista dos 50 melhores, hoje com nove estabelecimentos brasileiros – o mais bem colocado é o D.O.M. (5º), do chef Alex Atala, em São Paulo.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo