Bolsonaro e Temer devem discutir Previdência nesta quarta-feira

Por Rafael Neves, Metro Jornal Brasília

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) deve discutir hoje, na primeira reunião com o presidente Michel Temer (MDB) após a vitória nas urnas, a possibilidade de se aprovar uma reforma da Previdência ainda em 2018.

Bolsonaro e seu futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, têm declarado que gostariam de ver o ajuste proposto por Temer aprovado ainda em 2018, mas os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), têm afirmado que o assunto não deverá ser votado.

“Gostaríamos que saísse alguma coisa. Não é o que queremos, mas aquilo que é possível ser votado na Câmara e no Senado”, disse Bolsonaro em Brasília.

O dia de Bolsonaro

O presidente eleito começou o dia no Rio de Janeiro, mas embarcou em um avião da FAB (Força Aérea Brasileira) antes das 7h. Ele viajou com o futuro vice-presidente, general Hamilton Mourão (PRTB). A aeronave desembarcou em Brasília pouco antes das 9h.

O primeiro compromisso de Bolsonaro na capital federal foi uma sessão solene no Congresso em comemoração aos 30 anos da Constituição Federal. No evento estavam os chefes dos três poderes (Temer, Eunício e o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli), além de autoridades como o ex-presidente José Sarney.

Bolsonaro fez um discurso de menos de dois minutos e prometeu fidelidade à Carta de 1988. “Na topografia, existem três nortes, o da quadrícula, o verdadeiro e o magnético. Na democracia só um norte, é o da nossa Constituição”, declarou.

Na saída do evento, o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, também afirmou que gostaria de iniciar 2019 com a reforma da Previdência de Temer aprovada. “É algo muito importante e acho que seria um belo encerramento do governo Temer”, disse o economista.

Em seguida Bolsonaro e o general Augusto Heleno, anunciado como futuro ministro da Defesa, fizeram uma visita ao atual titular da pasta, Joaquim Silva e Luna. Na saída do encontro, o presidente eleito disse que não vai contingenciar recursos das Forças Armadas que estiverem previstos no Orçamento.

“Nada mais justo, é um reconhecimento às Forças Armadas”, disse. Ainda ontem, Bolsonaro encontrou o comandante da Marinha, almirante Eduardo Bacellar Leal, e o do Exército, general Eduardo Villas Bôas.

Para hoje, além da reunião com Temer, a agenda do presidente eleito prevê o comandante da Aeronáutica, brigadeiro Nivaldo Luiz Rossato, além de Toffoli, presidente do STF, e João Otávio de Noronha, presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo