Sérgio Moro aceita convite e será ministro da Justiça e da Segurança Pública

Por Metro Jornal

O juiz Sérgio Moro será ministro da Justiça e da Segurança Pública no próximo governo.

O convite foi aceito nesta quinta-feira (1º) em reunião com o presidente eleito Jair Bolsonaro no Rio de Janeiro. O encontro ocorreu na residência do político, em um condomínio fechado da Barra da Tijuca.

Leia mais:
Alberto Fraga diz que não será ministro de Bolsonaro e espera rever desarmamento
Bolsonaro diz não reconhecer a Palestina como nação

Moro chegou no local por volta das 9h. Ele viajou de Curitiba no começo da manhã e fez uma refeição em um hotel próximo à casa de Bolsonaro.

A reunião teve duração de cerca de 1h30. Ao sair, o juiz que comanda os julgamentos em primeira instância da Operação Lava Jato não falou com a imprensa e divulgou uma nota oficial menos de uma hora depois de deixar o condomínio.

Pelo Twitter, Jair Bolsonaro também confirmou a escolha de Sérgio Moro como ministro da Justiça e da Segurança Pública.

Veja nota divulgada pelo magistrado:

"Fui convidado pelo Sr. Presidente eleito para ser nomeado Ministro da Justiça e da Segurança Publica na próxima gestão.

Apos reunião pessoal na qual foram discutidas políticas para a pasta, aceitei o honrado convite.

Fiz com certo pesar pois terei que abandonar 22 anos de magistratura. No entanto, a perspectiva de implementar uma forte agenda anticorrupção e anticrime organizado, com respeito a Constituição, a lei e aos direitos, levaram-me a tomar esta decisão.

Na pratica, significa consolidar os avanços contra o crime e a corrupção dos últimos anos e afastar riscos de retrocessos por um bem maior.

A Operação Lava Jato seguira em Curitiba com os valorosos juízes locais.
De todo modo, para evitar controvérsias desnecessárias, devo desde logo afastar-me de novas audiências.

Na próxima semana, concederei entrevista coletiva com maiores detalhes.

Curitiba, 01 de novembro de 2018.
Sergio Fernando Moro"

Chegada Sérgio Moro Sérgio Moro foi recebido sob aplausos de simpatizantes a Jair Bolsonaro. / Marcelo Fonseca/Folhapress
Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo