Eleições 2018: Doria e França disputam segundo turno em São Paulo

Por Metro Jornal

Depois de três eleições consecutivas com vitórias do PSDB em votação única, a disputa pelo governo do Estado de São Paulo voltará a ser decidida em segundo turno. O ex-prefeito da capital João Doria (PSDB), que obteve ontem 32,2% dos votos válidos com 99% das urnas apuradas, e o atual governador e candidato à reeleição, Márcio França (PSB), com 21,8%, vão à disputa final para decidir quem será o próximo comandante do Palácio dos Bandeirantes.

A briga pelo segundo lugar foi muito acirrada, voto a voto, e só foi definida após a totalização de quase todas as urnas. Confirmando a tendência de alta registrada pelas pesquisas nas últimas semanas, França ultrapassou Paulo Skaf (MDB) e deixou o presidente licenciado da Fiesp (Federação das Indústrias de São Paulo) em terceiro lugar, com 21,3%. A diferença foi de apenas 0,45%, ou 89 mil votos.

Disputa entre conhecidos

Tanto Doria quanto França são ligados ao ex-governador e candidato derrotado à Presidência da República Geraldo Alckmin (PSDB), três vezes eleito e que esteve à frente do estado por mais da metade dos últimos 24 anos consecutivos de gestões tucanas.

Doria é afilhado político de Alckmin, que bancou a sua candidatura à prefeitura da capital em 2016, contrariando líderes do partido.

Já França era o vice-governador de Alckmin, com que foi eleito em 2014, e  que herdou sua cadeira quando o tucano partiu para a disputa pelo Palácio do Planalto.

Doria e França estiveram juntos em 2016, quando o então vice-governador, a pedido de Alckmin, ajudou a costurar as alianças que fizeram o então novato na política vencer a eleição para Prefeitura de São Paulo em primeiro turno, de forma inédita.

Em seu discurso ontem, Doria cumprimentou Alckmin – o chamando de “guerreiro”, mas deixou claro o seu apoio a Jair Bolsonaro (PSL), que venceu para presidente em São Paulo. Nas redes sociais, postou com a hashtag #BolsoDoria. O tucano também reafirmou seu discurso no antipetismo, chamando França de “genérico do PT”.

A suposta rejeição do eleitor paulistano a Doria – que deixou a prefeitura neste ano com 15 meses de governo para concorrer ao estado – não se materializou nas urnas. O candidato venceu na capital com 26,3% dos votos, seguido por França, com 22,1% e Skaf, com 22%.

Após a confirmação de que estava no segundo turno, Márcio França se encontrou pessoalmente com o ex-governador Alckmin e afirmou na saída que terá o seu voto.

Em seu discurso, França disse que o eleitor mandou o seu recado nas urnas de quer mudança e que vai unir São Paulo “contra a falsidade e a falta de palavra”, em clara crítica a Doria por ter deixado a prefeitura da capital.   METRO

Leia também:
Eleições 2018: Onde justificar voto em São Paulo?

Veja o resultado do primeiro turno:

  • João Doria (PSDB): 31,76%
  • Márcio França (PSB): 21,49%
  • Paulo Skaf (MDB): 21,12%
  • Luiz Marinho (PT): 12,66%
  • Major Costa e Silva (DC): 3,69%
  • Rogério Chequer (Novo): 3,33%
  • Rodrigo Tavares (PRTB): 3,21%
  • Professora Lisete (PSOL): 2,51%
  • Prof. Cláudio Fernando (PMN): 0,14%
  • Toninho Ferreira (PSTU): 0,08%
  • Marcelo Candido (PDT): 0%
  • Lilian Miranda (PCO): 0%
  • Brancos: 6,94%
  • Nulos: 13,65%
  • Abstenção: 21,55%
Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo