Partidos doam 92% dos recursos dos candidatos a governador de São Paulo

Por Metro Jornal

A primeira parcial da prestação de contas das eleições mostra que 92,4% dos recursos arrecadados pelos candidatos ao governo do estado de São Paulo vieram dos cofres dos partidos.

Entre dinheiro e bens, os 11 postulantes ao Palácio dos Bandeirantes angariaram R$ 31,9 milhões, sendo R$ 29,5 milhões transferidos ou cedidos pelos partidos.

Levando em conta só os recursos financeiros (excluindo bens), Paulo Skaf (MDB) é até aqui o candidato mais “rico”, com R$ 8,9 milhões arrecadados, seguido por João Doria (PSDB), com R$ 6,7 milhões. A dupla também lidera a corrida em intenções de voto.

Na eleição passada ao governo do estado, em 2014, o gasto total dos nove candidatos foi de R$ 111,5 milhões – que corresponde hoje a R$ 141 milhões, em valores corrigidos.

A razão para os partidos serem a maior fonte de recursos dos candidatos está na proibição do financiamento privado de campanha. A regra foi determinada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) em 2015 e é testada pela primeira vez em uma eleição geral no país.

Sem a grana das empresas, os candidatos podem bancar as próprias campanhas e captar recursos de pessoas físicas e dos fundos partidário e eleitoral – que são abastecidos com dinheiro público.

O fundo eleitoral foi criado ano passado pelo Congresso para compensar o fim do financiamento privado e vai distribuir neste ano R$ 1,7 bilhão.

artcontas

Vaquinhas virtuais não decolam

Liberada pela Justiça pela primeira vez em uma eleição no país, as vaquinhas virtuais – que permitem aos candidatos angariar recursos entre pessoas físicas a partir de ferramentas na internet –, ainda não decolaram entre as campanhas ao governo do estado. Só dois candidatos declararam ter arrecadado recursos por esta modalidade: Paulo Skaf (R$ 160,3 mil) e Professora Lisete (R$ 7,4 mil).


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo