Em debate, candidatos à Presidência falam em pacificar o país

Por Metro Jornal

O primeiro debate entre presidenciáveis depois do ataque sofrido por Jair Bolsonaro (PSL) na última quinta-feira teve falas dos candidatos sobre pacificação e união do país. O evento foi promovido no domingo por TV Gazeta, jornal “O Estado de S. Paulo”, rádio Jovem Pan e Twitter. A assessoria de Cabo Daciolo (Patriota) disse na data que ele não iria.

Logo na primeira pergunta, Henrique Meirelles (MDB) questionou Geraldo Alckmin (PSDB) sobre como mudar o radicalismo que prejudica o país, citando o episódio com o capitão reformado do Exército. O tucano respondeu que era “necessário um grande esforço conciliador”, e na réplica foi questionado pelo ex-ministro da Fazenda por que suas inserções publicitárias seguiam atacando Bolsonaro enquanto este estava “sendo operado”. Alckmin disse que o emedebista não tinha visto seu programa, que não pregava violência.

O clima de intolerância também foi citado por Álvaro Dias (Podemos), que questionou Ciro Gomes (PDT) sobre se a democracia corre risco. “A Presidência terá entre suas graves tarefas a de reconstruir a saúde das instituições brasileiras”, respondeu o pedetista.

Marina Silva (Rede) exaltou a necessidade de unir o país. “Não vamos chegar a lugar nenhum com o país dividido”.

Guilherme Boulos (Psol) teve boa parte de suas falas contra o sistema financeiro: disse que “o Brasil se tornou o paraíso dos banqueiros, uma verdadeira Disneylândia financeira”, e depois atacou o emedebista dizendo que não vai “‘chamar’ o Meirelles, eu vou taxar o Meirelles”.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo