Investimento por aluno da rede pública varia 564% nos municípios brasileiros

Por Bruna Barone - BandNews FM

O investimento por aluno no Brasil pode ter diferenças de 564% ao ano nos municípios, com consequências na evasão e atraso escolar.

A cidade de Turiaçu, no Maranhão, é a que menos investe em educação no país, segundo estudo técnico da Câmara dos Deputados. Em uma escola de ensino fundamental do povoado de São José de Brito, no interior do município, o investimento entre prefeitura e estado é de cerca de R$ 2 mil por aluno.

Os 150 alunos, até pouco tempo, estudavam em uma casa alugada com professores se dividindo entre diferentes séries em uma mesma sala. Aos 50 anos de idade e cursando os últimos meses da faculdade de pedagogia, Ubirailda Souza foi escolhida pra ser diretora da escola.

Este valor que se apequena ainda mais quando comparado com a cidade do topo da lista. Pinto Bandeira, no Rio Grande do Sul, investe cerca de R$ 19,5 mil por ano para cada aluno.

No Brasil, 60% dos recursos para educação vêm do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica, o Fundeb; outros 40% dependem da arrecadação de impostos.

Pela lei, quando o estado ou o município não atinge o mínimo por aluno – de R$ 3.016 – o governo federal é obrigado a complementar.

Ainda assim, os investimentos continuam desiguais, já que o repasse é o mesmo para todas as cidades, embora cada uma arrecade um valor, explica um dos coordenadores do Todos Pela Educação, Caio Callegari.

Um estudo do UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, mostra que sete milhões de estudantes estão pelo menos dois anos atrasados e a maior parcela está no Ensino Médio. Na opinião de uma das coordenadoras da pesquisa, Julia Ribeiro, isso significa que a discussão maior é a qualidade da educação.

As taxas mais altas de atraso escolar estão nas regiões Norte, com 41%, e Nordeste, com 36%.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo