Senado da Argentina rejeita projeto de lei para descriminalizar o aborto

Por Reuters

Senadores argentinos rejeitaram um projeto de lei para legalizar o aborto no país em debate acalorado que se estendeu até a madrugada desta quinta-feira (9), contrariando uma onda crescente de apoio por parte de movimentos pelos direitos das mulheres.

Com 38 votos a 31, o Senado rejeitou a medida, que teria legalizado o direito de mulheres fazerem um aborto até a 14ª semana da gravidez. O projeto de lei tinha sido aprovado por estreita margem na Câmara dos Deputados em julho.

Leia mais:
Que horas vai ser o debate dos candidatos à presidência na Band?
Mulheres em São Paulo se unem em apoio à legalização do aborto na Argentina

Famílias e clérigos usando bandanas azuis festejaram do lado de fora do Congresso quando o resultado foi anunciado pouco antes das 3h da manhã, balançando bandeiras da Argentina em apoio ao posicionamento da Igreja Católica contra o aborto no país natal do papa Francisco.

“O que essa votação mostrou é que a Argentina ainda é um país que representa valores de família”, disse a ativista antiaborto Victoria Osuna, de 32 anos, à Reuters.

A lei atual da Argentina só permite o aborto em casos de estupro, ou se a saúde da mãe estiver em risco.

Defensores do direito ao aborto, carregando bandanas verdes que se tornaram um símbolo do movimento, ocuparam as ruas da cidade até o fim da votação, apesar de forte vento e chuva.

Muitos acamparam em frente ao Congresso desde a noite de quarta-feira (8).

“Ainda estou otimista. Não foi aprovado hoje, mas será aprovado amanhã, será aprovado no próximo dia”, disse a defensora do direito ao aborto Natalia Carol, de 23 anos. “Isso não acabou”.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo