Polícia Militar fica até ‘pacificar’ Paraisópolis, diz SSP

Por Metro Jornal

A região de Paraisópolis (zona sul) continuou fortemente policiada durante todo o dia de terça-feira (7), apesar de o corpo da policial Juliane dos Santos Duarte, 27 anos, já ter sido encontrado. Segundo o secretário de Segurança Pública do estado, Mágino Alves, a polícia continuará com incursões e reforço no patrulhamento da região até que os assassinos de Juliane sejam encontrados. A SSP está oferecendo R$ 50 mil a quem der informações que levem aos responsáveis pelo crime.

O corpo da policial foi encontrado na noite de segunda-feira dentro do porta-malas de um veículo abandonado em Jurubatuba (zona sul), cerca de 8 km distante do local onde Juliane foi vista pela última vez. O carro, com a chave na ignição, estava estacionado em uma rua residencial, na frente de uma casa. Não há câmeras no local. Os moradores fizeram a primeira queixa sobre o veículo abandonado por volta das 17h de sexta-feira. Segundo eles, policiais disseram que não podiam fazer nada porque não havia queixa de roubo do carro.

Leia mais:
Acesso ao Minhocão pela praça Marechal Deodoro terá base da GCM
Quais setores da economia serão afetados pelas sanções que os EUA impõem ao Irã

Policiais finalmente abriram o veículo na noite de segunda-feira (6), depois da quarta denúncia, quando moradores afirmaram sentir um cheiro forte vindo do carro. O corpo da soldado Juliane foi encontrado com duas marcas de tiros: uma na virilha e outra na nuca. Juliane foi enterrada na tarde de ontem em São Bernardo do Campo. A polícia acredita que ela tenha ficado ao menos 24 horas sob o poder dos criminosos antes de ser assassinada.

Suspeito de participar do assassinato, Everaldo da Silva Félix, 45, o “Sem Fronteira” foi preso na noite de quinta-feira (2). Segundo o delegado Antônio Sucupira, responsável pelo caso, Félix tentou fugir e esconder celulares no momento da prisão. Ele é apontado pela polícia como “gerente” do tráfico em Paraisópolis. A Justiça decidiu prender Sem Fronteira temporariamente por 15 dias.

Segundo testemunhas, a soldado foi levada na madrugada de quinta-feira depois de sacar a arma e se identificar como policial dentro de um bar da região.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo