O misterioso assassinato de três jornalistas russos no coração da África

Muitas perguntas sobre as circunstâncias em que os profissionais morreram, na República Centro-Africana, permanecem sem resposta.

Por BBC Brasil

Três jornalistas russos investigavam a atividade de mercenários do seu país na República Centro-Africana quando o veículo em que estavam foi atacado e eles foram mortos a tiros.

O trio recebeu uma série de homenagens, mas muitas perguntas sobre as circunstâncias em que eles morreram permanecem sem resposta, como os repórteres Fokht Elizaveta e Sergey Goryashko, do serviço russo da BBC, explicam a seguir.

O que aconteceu?

O renomado correspondente de guerra Orkhan Dzhemal, o documentarista Alexander Rastorguyev e o cinegrafista Kirill Radchenko foram atacados às 19h de segunda-feira, quando seguiam da capital, Bangui, para a cidade de Sibut, cerca de 180 quilômetros ao norte, segundo informaram autoridades locais.

Eles viajavam à noite apesar dos alertas de que não era seguro.

A principal missão deles era investigar a denúncia de que o grupo Wagner, uma empresa russa de segurança militar privada, estava operando lá.

A organização já tinha aparecido no noticiário antes, por conta de suas atividades na Síria. E reportagens recentes sugerem que o grupo também pode ter se instalado na República Centro-Africana.

Autoridades russas e o Kremlin negam qualquer vínculo com os combatentes. No entanto, a Rússia enviou 180 instrutores para Bangui em fevereiro, depois de receber a aprovação da Organização das Nações Unidas (ONU) para treinar e armar o Exército do país.

102790613tvrain-f9391f2c3570804025b755330742effb.jpg

Dzhemal, Rastorguyev e Radchenko foram enviados à República Centro-Africana pelo Centro de Controle de Investigação (ICC, na sigla em inglês), projeto de jornalismo investigativo patrocinado pelo ex-magnata do petróleo Mikhail Khodorkovsky, exilado na Europa. Os três foram contratados como freelancers.

O porta-voz do ICC, Andrei Konyakhin, disse à agência de notícias AP que, além de investigar a atividade dos mercenários, o grupo também estava tentando apurar o interesse do governo russo na mineração de ouro, urânio e diamantes da República Centro-Africana .

De acordo com o instituto, os jornalistas já tinham visitado a base militar de Berengo, nos arredores da capital, onde os militares estão sendo treinados por instrutores russos.

Em seguida, foram até a cidade de Bambari, onde tinham marcado uma reunião com um representante da ONU.

"Ele ia fornecer informações sobre a situação dos instrutores militares russos no país e ia ajudar nas filmagens de minas de ouro em Ndassima", afirmou o ICC.

Os jornalistas teriam sido emboscados por um grupo de homens que usavam turbantes e falavam árabe, de acordo com Marcelin Yoyo, do governo municipal de Sibut.

Um porta-voz do governo disse, por sua vez, que nove homens pararam as vítimas em um bloqueio na estrada. Eles foram, então, baleados – um morreu no local, enquanto os outros dois morreram a caminho do hospital.

O motorista conseguiu escapar e avisar as autoridades.


Três jornalistas talentosos

10279061558a2952ec2694c168e3abd57880ceba0-c41d2d3d077889184faa842d036e8d5f.jpg

Kirill Radchenko, de 33 anos, era um cinegrafista promissor, que trabalhou na Chechênia e, mais recentemente, na Síria, com a agência de notícias Anna.

Alexander Rastorguyev, de 47 anos, era conhecido por ter registrado o conflito no leste da Ucrânia e particularmente por seus documentários na internet sobre os protestos da oposição russa em 2011-2012.

Orkhan Dzhemal, de 51 anos, cobriu os conflitos na Líbia, na Síria, no leste da Ucrânia e na Ossétia do Sul, trabalhando para a Novaya Gazeta, Izvestia, Kommersant e o canal de TV Dozhd. Conhecido como um correspondente de guerra calmo e destemido, os colegas se lembram dele escrevendo uma reportagem de dentro de um cemitério no auge de um conflito na Ucrânia.


Quem está por trás do ataque?

A motivação do ataque não é clara, tampouco a identidade dos assassinos.

De acordo com a agência de notícias Interfax, existe a suspeita de assalto. Os colegas das vítimas dizem que um kit de câmera caro e mais de US$ 8 mil em espécie desapareceram da cena do crime.

A Tass, agência de notícias estatal russa, especulou que o Seleka, grupo local armado muçulmano, poderia estar envolvido. A República Centro-Africana vive uma instabilidade interna desde que o Seleka derrubou o então presidente em 2013, e milícias cristãs se revoltaram contra os rebeldes.

Uma missão de manutenção da paz da ONU, formada por 13 mil pessoas, está se esforçando para manter a ordem lá.

Mas por que os jornalistas não estavam viajando acompanhados por seguranças?

O assassinato de jornalistas na República Centro-Africana é raro, mas não é inédito. A fotojornalista francesa Camille Lepage morreu no país durante um combate em 2014.

Anastasia Gorshkova, subeditora do ICC, explicou que os jornalistas enfrentaram grandes desafios logísticos.

102790611mediaitem74826644-3e2c6884f716ae6185d39ea32408053e.jpg

Segundo ela, eles levaram semanas até achar um intérprete de língua russa, e encontrar um consultor de segurança se mostrou impossível.

A equipe, formada por repórteres experientes de guerra, decidiu, portanto, ir sozinha.

Como o motorista sobreviveu?

Foram levantadas algumas suspeitas em relação ao motorista, que escapou do ataque em circunstâncias ainda não totalmente esclarecidas.

Gorshkova disse à BBC que, nos dias que antecederam a emboscada, os editores do ICC em Moscou haviam manifestado preocupação em relação ao profissional – depois que ele apareceu, o grupo foi parado pela polícia perto do hotel e forçado a pagar propina.

O motorista teria agido aparentemente como intermediário, traduzindo o que eles diziam para a polícia e negociando o pagamento.

Mas Kirill Radchenko teria garantido aos editores que o motorista não estava trabalhando para a polícia e não havia motivo para preocupação, segundo contou Gorshkova.

O que a Rússia está fazendo lá?

A República Centro-Africana não tem forças armadas operacionais e a situação de segurança do país é grave. As tropas de paz da ONU estão sobrecarregadas, e os grupos rebeldes controlam grande parte do país.

Tem havido, no entanto, tentativas de reativar as forças armadas – é nesse contexto que a Rússia entra em cena.

Em dezembro de 2017, Moscou convenceu o Conselho de Segurança da ONU a suspender as restrições ao fornecimento de armas para o Exército da República Centro-Africana. E enviou especialistas para treinar os militares, além de agentes de segurança para fazer parte da escolta do presidente Faustin-Archange Touadéra.

O grupo Wagner, de segurança militar privada, está envolvido? Alguns analistas acreditam que sim.

A Rússia também assinou acordos com a República Centro-Africana para extração de minerais e conversou com grupos rebeldes em algumas áreas de mineração. Não está claro se os mercenários estão envolvidos nessas outras atividades.

©
Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo