Doria diz que atual governador de São Paulo pode virar a nova "Martaxa"

Por band.com.br com Rádio Bandeirantes

O candidato ao governo do Estado de São Paulo João Doria (PSDB) afirmou que pretende acelerar as obras de Metrô que estão atrasadas. A sugestão dele é investir nos regimes de PPP (Parceria Público-Privada). O tucano também não perdeu a oportunidade de atacar o atual governador Márcio França (PSB).

"O Estado e o município se consorciam, entram com a área e o terreno. Um consórcio, uma empresa ou uma construtora, que vence o programa de PPP, executa e explora. E no setor privado não tem essa conversa de obra que o prazo não é cumprido”, explicou, em entrevista ao Jornal Gente, da Rádio Bandeirantes, nesta sexta-feira, 27. Confira áudio aqui.

O tucano assegurou que, ao contrário do que sugeriu o governador de São Paulo, Márcio França, ele não pretende criar impostos para quem mora perto de obras de linhas de trens – Metrô e CPTM.

"Eu até anotei, ele [Márcio França] disse o seguinte aqui: 'quero cobrar pela contribuição de melhorias', ou seja, imóveis em torno do Metrô, o governador quer cobrar taxa. Ele até mencionou no Metrô do ABC, sugerindo R$ 120 por mês para cada unidade habitacional que está a 500 metro da linha", falou à rádio.

Além disso, o candidato também fez uma comparação com a senadora Marta Suplicy, na época em que foi prefeita de São Paulo e recebeu um apelido.

"Com todo respeito, se o senhor [França] não quiser ficar conhecido como Márcio Taxa, para lembrar ‘Martaxa’, esqueça isso. Que absurdo imaginar mais taxas, mais impostos para o cidadão pagar".

Doria afirmou ainda ser contrário a criação de qualquer novo imposto. "Bom gestor, administrador não cria novos impostos, pelo contrário, ele reduz".

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo