Pais alemães herdam redes sociais de filha morta

Por Ansa

O Tribunal Constitucional Federal de Karlsruhe, na Alemanha, deu razão nesta quinta-feira (12) aos pais de uma menina que travavam uma batalha judicial para herdar as redes sociais de sua filha, morta em 2012.

O debate, que girava em torno da privacidade dos dados das redes sociais após o falecimento do usuário, foi considerado sob o argumento de que, da mesma forma que acontece com documentos físicos, como diários e cartas, o mundo digital também deve ser herdado.

"Do ponto de vista da lei da herança, não há razão para tratar o conteúdo digital de maneira diferente", sentenciou o tribunal. A morte da menina, sob circunstâncias nebulosas, deixou as autoridades sem uma conclusão; se a fatalidade teria sido acidental ou se a vítima cometeu suicídio.

Assombrados pela dúvida, os pais da jovem pediram ao Facebook que lhes concedesse acesso ao perfil de sua filha, para ler as mensagens privadas, com o objetivo de encontrar algo que ajudasse a desvendar a razão do óbito.

O julgamento chega ao fim depois de ter pedido aprovado em primeira instância, em 2015, quando, entretanto, o Facebook recorreu da decisão, e após maio de 2017, quando o Tribunal de Berlim foi a favor da empresa norte-americana.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo