Meninos presos em caverna na Tailândia: 3 conselhos de sobrevivência de mineiro chileno resgatado em 2010

Quando 33 mineiros chilenos ficaram presos no subterrâneo em 2010, as esperanças de retirá-los com vida eram poucas, mas todos foram resgatados mais de dois meses após serem encontrados.

Por Darío Brooks - BBC News Mundo

Quando 33 mineiros chilenos ficaram presos, em 2010, a 750 de metros de profundidade, a situação era desesperadora.

Embora tivessem experiência em enfrentar dificuldades extremas, eles estavam angustiados para sair de lá o quanto anos. Foram 69 dias debaixo da terra até o resgate.

Luis Urzúa, um dos 33 mineiros, disse que é difícil imaginar como estão se sentindo os 12 meninos presos há 13 dias numa caverna alagada da Tailândia. Diferentemente dos mineiros, eles não estão acostumados a viver em ambientes de confinamento e com pouco oxigênio.

"É uma situação muito difícil. Infelizmente, os meninos talvez tenham menos força (do que a gente) para suportar esse tipo de coisa", disse Urzúa, de 62 anos, à BBC News Mundo.

O grupo de adolescentes, com idades entre 11 e 16 anos, entrou na caverna com o treinador de futebol, de 25 anos, para passear após um treino. Mas eles acabaram ficando presos lá, depois que fortes chuvas alagaram grande parte do complexo de câmaras subterrâneas.

Logo no início das buscas, equipes de resgate encontraram pertences dos meninos. As crianças foram encontradas nove dias depois. E não será tarefa fácil retirar o grupo de lá, já que grande parte da caverna está completamente submersa.

Na quinta, um mergulhador experiente da marinha tailandesa morreu depois de levar cilindros de oxigênio à câmara de ar onde os adolescentes encontraram refúgio. Na jornada de volta, de cinco horas, Saman Gunan, de 38 anos, perdeu a consciência. A tragédia evidencia os riscos do resgate – alguns dos jovens não sabem nadar e nenhum tem experiência com mergulho.

102369161gettyimages495364730-f3699fcd044ffed15f292d1a2afe188c.jpg Luis Urzúa era o líder do grupo de mineiros presos. Ele foi o último a ser resgatado, em 2010 / Getty Images

Para enfrentar a espera, que pode levar semanas ou até meses, os meninos precisarão de coragem e força física e mental.

Urzúa, que aguentou mais de dois meses a centenas de metros debaixo da terra, dá três dicas que o ajudaram a sobreviver:

1) Cuidar da saúde

O mineiro chileno diz que a prioridade deve ser garantir a saúde física e psicológica dos adolescentes. Urzúa era o líder do grupo que ficou preso na mina San José depois que as galerias superiores desabaram. Ele assumiu para si a responsabilidade de manter o moral dos companheiros.

Os meninos da Tailândia estão a cerca de 4 km da entrada principal da caverna. Mas como os túneis e passagens estão alagados.

"É importante manter os meninos estáveis, garantindo suprimentos e comida." Depois de passar muitos dias sem se alimentar, pode ser perigoso ingerir alguns alimentos sem supervisão. Os jovens já voltaram a comer, após receberem atendimento médico na caverna.

102369261mediaitem102369260-8464021056cec159701e2e3cdf0670d5.jpg Mais de mil pessoas estão trabalhando nos esforços de resgate dos jovens presos na caverna / Getty Images

2) Manter a positividade

Urzúa entende bem a angústia que os meninos sofreram até serem achados. "O que vai acontecer se ninguém nos encontrar?", se perguntava ele quando estava a 750 metros debaixo da terra.

Passado o alívio ao ver avistar a equipe de resgate pela primeira vez, os meninos precisam controlar uma nova etapa psicológica – a de superação da frustração.

Isso porque possivelmente eles esperavam sair da caverna o quanto antes. Mas ninguém sabe ao certo quando isso será possível. O grupo não sabe nadar bem, nem mergulhar.

Urzúa e seus colegas passaram pelos mesmos sentimentos – o alívio de serem encontrados e a decepção de saberem que não deixariam o local por um bom tempo. "As esquipes de resgate disseram que poderia levar de quatro a cinco meses para nos levar até a superfície", lembra.

"Vários mineiros ficaram muito deprimidos." No final das contas, o resgate começou 69 dias depois do desabamento das galerias que fez com que os homens ficassem confinados na base. Uma cápsula especial foi desenhada para tirar um homem por vez de dentro da mina. Urzúa foi o último sair, 70 dias depois do desabamento.

Durante esse tempo, um pequeno buraco de 12 centímetros de largura foi usado para permitir a passagem de uma sonda por onde eram levados alimentos aos mineiros e que permitia a comunicação com eles.

"O psicológico é muito importante", diz Urzúa. Até agora, as crianças têm apresentado um bom estado de espírito.

Sarita Robinson, professora da Escola de Psicologia da Universidade de Lancashire Central, no Reino Unido, disse que eles ficarão bem "se conseguirem se adaptar ao ambiente".

3) Trabalhar em equipe

1023702520479265891-afddcf9ed460a40badd67081cb380dad.jpg Meninos dremonstraram muito alívio ao serem encontrados pelas equipes de resgate. Mas pode levar semanas ou até meses até que consigam retirar os jovens da caverna / AFP

Os meninos foram encontrados aglomerados numa rocha longe da entrada principal. O ambiente é úmido e quente. A temperatura média é de 26°C. Uma queda na temperatura poderia gerar risco de hipotermia.

Queda de rochas também pode ser uma preocupação, diante da possibilidade de aumento no nível da água.

As crianças conseguiram se manter hidratadas ao beber água que saía das paredes e do teto da caverna. Urzúa diz que as condições vividas pelos adolescentes são similares às que ele experimentou na mina.

"Mas nós estávamos confinados num único espaço (que sobrou após o desabamento). Não podíamos sair daquele local."

Os mineiros chilenos contaram que o bate-papo entre eles ajudou a resistir tanto tempo no espaço confinado.

102369157gettyimages105296215-b788ec984f851ad9c0b7cfc22f36b3df.jpg Luis Urzúa foi o último mineiro a ser resgatado. As equipes usaram uma capsula especial, desenhada para tirar um homem de cada vez / Getty Images

Outro aspecto importante, segundo Urzúa, é seguir uma boa liderança. Para ele, o treinador deve ter tido papel crucial em manter os meninos vivos até que as equipes de resgate chegassem.

O chileno diz que também é essencial manter uma boa atmosfera entre os integrantes do grupo, além do pensamento positivo. "Isso é parte do que tornou nossa experiência tão emocionante. Sempre tivemos esperança de sair de lá vivos", afirmou.

O contato com o "mundo exterior" é outro elemento essencial para manter a sanidade, diz Urzúa. Nesta sexta, as equipes de resgate vão tentar instalar um cabo de fibra óptica para permitir que os meninos conversem com suas famílias.

1023691550ddeb1a8b8d24fac8775fbdd8b938f47-ad240f0bbff9b6b4368c384502fed133.jpg Familiares conseguiram ver que os jovens estavam com boa saúde graças a vídeos filmados pelas equipes de resgate / AFP
©
Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo