Greve dos caminhoneiros: hospitais podem ficar sem remédios e cilindros de oxigênio

Por Metro Jornal

A FEHOESP (Federação dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo) emitiu, nesta quinta-feira, um comunicado alertando para a possibilidade de desabastecimento nos hospitais do Estado, em virtude da greve dos caminhoneiros que se iniciou na segunda-feira. Segundo o alerta, podem faltar desde de oxigênio até medicamentos e suprimentos.

Confira o comunicado:

A FEHOESP – Federação dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo acaba de enviar um e-mail aos presidentes da República, da Câmara e do Senado alertando para o iminente desabastecimento dos hospitais e serviços de saúde, caso persista a greve dos caminhoneiros.

Segundo Yussif Ali Mere Junior, os hospitais podem ficar sem o abastecimento de oxigênio, materiais, medicamentos e insumos em geral, como suprimentos para diálise etc.

O presidente da FEHOESP – Federação dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo informa que o recolhimento de lixo hospitalar também está comprometido.

“Precisamos garantir com urgência o abastecimentos das redes de saúde para manter o atendimento à população. Trabalhamos com estoques reduzidos e necessitamos de abastecimentos regulares, como por exemplo, de 2 em 2 dias, 3 em 3 dias, no caso de reposição de oxigênio".

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo