Chuva rápida causa estragos em São Paulo

Por Estadão Conteúdo

A chuva rápida que atingiu a Grande São Paulo na manhã deste sábado, 19, derrubou árvores e chegou a deixar a capital paulista em estado de atenção para alagamentos. Segundo o Corpo de Bombeiros, até as 11h45 foram atendidas 47 ocorrências de queda de árvores na Grande São Paulo. No interior, as precipitações, acompanhadas de rajadas de ventos, causaram estragos em cinco cidades.

Duas árvores caíram na Avenida Corifeu de Azevedo Marques, no Butantã, zona oeste de São Paulo. Ocorrência semelhante bloqueou pistas da Marginal do Tietê, altura da Ponte Anhanguera, no sentido Rodovia Ayrton Senna.

Por causa da chuva, todas as regiões da cidade entraram em estado de atenção para alagamento por volta das 9 horas. O alerta terminou uma hora depois.

Nesse horário, os Bombeiros informaram que já tinham atendido 33 chamados de árvores caídas. Cerca de um terço era da região de Osasco, Barueri, Cotia, Embu e Itapecerica da Serra, segundo a corporação.

Na região do M'Boi Mirim, na zona sul a capital, um árvore caiu em frente ao Cemitério São Luis, na Rua Antônio de Senna, e atingiu um ponto de ônibus. Segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas (CGE), o M'Boi Mirim foi a região mais atingida e acumulou 18 milímetros de chuva.

Jabaquara e Cidade Ademar, ambos na zona sul, registraram 15,8 mm de precipitações, cada, diz o CGE. Em seguida, Itaquera, na zona leste, foi quem registoru maior índice, com 15,2 mm.

Segundo o CGE, não há previsão de chuva forte na capital ou Grande São Paulo nas próximas horas. A chegada de uma frente fria, neste sábado, deve derrubar as temperaturas e há expectativa que os termômetros atinjam a menor marca do ano. No domingo, 20, a mínima prevista é de 10°C e máxima de 19°C.

Interior. Em Jundiaí, o terminal de ônibus do bairro Cecap teve telhas metálicas arrancadas pela força do vento. O material usado para isolamento térmico foi parar no meio da rua e no quintal de casas da região. O movimento dos ônibus chegou a ser prejudicado, mas já foi restabelecido. No bairro Cidade Nova, a queda de uma árvore interditou uma via pública. Houve o desligamento da rede elétrica e, durante ao menos três horas, 20 mil moradores ficaram sem energia.

Em Campinas, o temporal causou a queda de ao menos cinco árvores em quatro bairros. Houve interdição de vias públicas e interrupção no fornecimento de energia, mas ninguém ficou ferido Num dos casos, uma árvore de grande porte caiu sobre uma casa da rua Afonso Pena, no bairro Ponte Preta. Por volta do meio-dia, equipes do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil ainda avaliavam os estragos.

Em Várzea Paulista, o vento causou a queda de uma árvore frondosa, na rua Iguape, no Jardim Paulista. A prefeitura mobilizou uma equipe para retirar tronco e galhos que interditavam a via pública. A ventania destelhou casas em vários bairros. Até o início da tarde, a Defesa Civil contabilizava os danos. Em Sorocaba, rajadas de vento entre 60 km e 80 km por hora lançaram galhos de árvores sobre a rede elétrica na zona norte. Ao menos 1,6 mil pessoas estavam sem energia.

A ventania também deixou um rastro de estragos em São José dos Campos. Ao menos quatro árvores caíram, uma delas sobre a rede elétrica, na Vila Ema. Houve quedas de árvores também nos bairros Boa Vista, Capoava e Campo dos Alemães. Ventos a cerca de 70 km/h levaram à interrupção na travessia de balsas entre São Sebastião e Ilha Bela. O serviço ficou suspenso, por medida de segurança, entre as 9h30 e as 11h30. Após a retomada, havia fila de uma hora para o embarque.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo