Trabalho de buscas em edifício que pegou fogo e desabou entra no sétimo dia

Por Estadão Conteúdo

As buscas por desaparecidos após o desabamento do Edifício Wilton Paes de Almeida, no centro da cidade de São Paulo, entraram no 7° dia esta segunda-feira, 7. Em uma semana, pelo menos 1,5 mil toneladas de entulho já foram retiradas do local. A previsão é de que os trabalhos durem mais cinco dias.

Nesta segunda-feira, após retirarem os entulhos das bordas, continuam trabalhando na área 40 bombeiros, com cães farejadores e máquinas, que atuam na área central dos escombros. "Lá do meio, foram retiradas todas as lajes que estavam na parte do 6° pavimento para cima. Agora, está bastante limpo o terreno e conseguimos visualizar as fundações dos pilares. Vamos começar a acessar os pontos onde acreditamos que possa ter células de sobrevivência", explica o capitão do Corpo de Bombeiros, Marcos Palumbo.

Leia mais:
Moradores de prédio que desabou começam a receber auxílio-aluguel

Na tarde de domingo, 6, uma arcada dentária e partes de um rosto foram encontradas no local. Segundo os bombeiros, a principal hipótese é de que seja de Ricardo Oliveira Galvão Pinheiro, o rapaz que caiu após tentativa de salvamento. Restos mortais de Pinheiro já haviam sido retiradas dos escombros na sexta-feira, 4.

Vistorias

Começam nesta segunda-feira as vistorias a 69 ocupações na cidade. Do total, 48 ficam na região central e ao menos 13 estão em imóveis tombados pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp).

As vistorias envolverão a Defesa Civil, secretarias municipais e movimentos por moradias, dentre outros órgãos. A ideia inicial é montar cinco grupos de trabalho para dar celeridade ao processo.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo