Projeto que prevê advertência em vez de multa por rodízio é aprovado

Por Metro Jornal

Um projeto de lei pretende diminuir a pena de motoristas que forem pegos pelo rodízio municipal de veículos na capital paulista. A medida estabelece que, caso o infrator não seja reincidente nesta infração nos últimos 12 meses, seja aplicada uma advertência por escrito, em vez de aplicar imediatamente a multa.

O projeto já havia sido aprovado anteriormente pela Câmara dos Vereadores, em 2013. Contudo, o então prefeito Fernando Haddad (PT) vetou o texto na íntegra. Ele foi reapresentado pelos vereadores Mario Covas Neto (Podemos) e Janaína Lima (Novo) este ano. Na última quinta-feira (3), o PL 10/2017 foi enviado novamente para sanção ou veto da Prefeitura.

"Reapresentei o projeto porque não acho que ele tenha um impacto financeiro importante nos cofres da Prefeitura. Acredito que o veto do Haddad na época tenha sido simplesmente por motivações políticas", declarou o vereador Mario Covas Neto.

Na justificativa, os vereadores argumentam que "para grande parte da população, o sentimento é de que a Prefeitura instituiu uma 'indústria das multas' [sic], um sistema punitivo que serve mais para arrecadação aos cofres municipais do que para melhorar a educação no trânsito."

"Muitas dessas infrações (…) ocorrem por conta dos congestionamentos crônicos da Capital. Não é razoável prejudicar o cidadão que sai de um local em horário apropriado, mas, em decorrência de uma situação que foge ao seu controle, é penalizado com multa", defendeu o vereador.

Infrações de natureza leve ou média já são passíveis de imposição da pena de advertência por escrito, como determina o Código de Trânsito Brasileiro. Contudo, Covas Neto lembra que esse tipo de punição ainda não é aplicado em nenhum tipo de situação.

"A ideia não é estimular a infração, porque é preciso que o motorista não tenha repetido a violação por um ano. E, claro, ninguém vai ficar olhando uma folhinha, vendo se já se passou um ano da última ocorrência", defende.

O projeto segue para sanção do prefeito Bruno Covas (PSDB), que tem 30 dias para sancionar ou vetar. Se aprovado, entrará em vigor em 90 dias.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo