Santo André amplia troca de lixo reciclável por comida

Por Cadu Proieti - Metro Jornal ABC

O Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) anunciou que irá ampliar o projeto Moeda Verde, que realiza troca de lixo reciclável por alimentos hortifrútis, como verduras e legumes.

A ação, que desde novembro do ano passado era realizada somente no Núcleo dos Ciganos, em Utinga, começou a ser feita ontem também na comunidade carente do Parque Capuava, à beira da avenida dos Estados. Amanhã, a prefeitura instala uma tenda do programa no Jardim Cipestre, completando o terceiro local do projeto.

Nesses dois novos pontos, a ação será realizada da mesma maneira que é feita no Núcleo dos Ciganos. Uma van com produtos hortifrúti irá a esses endereços a cada 15 dias. O morador que levar cinco quilos de materiais recicláveis, como plástico, vidro, metais e papelão, por exemplo, receberá um quilo de alimento em troca, podendo escolher entre frutas, legumes e verduras. Não há limite de quilos para fazer as trocas – ou seja, quanto mais peças levar, maior a quantidade de alimentos que pode receber.

O prefeito Paulinho Serra (PSDB) afirmou que o Semasa mapeou 82 pontos de descarte irregular de lixo que podem receber o programa futuramente. “Talvez não com o mesmo sistema ou frequência como foi feito no Ciganos, mas a gente quer levar para a cidade inteira.”

Segundo o chefe do Executivo, uma van itinerante poderá atender a outros locais. “É uma ideia. Está sendo avaliada ainda. O mais importante era consolidar o projeto. Hoje, há uma disputa saudável por recicláveis porque as pessoas querem trocar por comida”, disse o prefeito.

Economia

O Semasa diz que o principal foco do Moeda Verde é incentivar os moradores a não descartar os materiais recicláveis de forma irregular. O prefeito afirmou que no Núcleo dos Ciganos haverá economia de R$ 300 mil por ano com a limpeza que deixará de ser feita no local após as pessoas começarem a trocar recicláveis pelos alimentos ao invés de jogarem o lixo na rua.

‘Existe milagre’, afirma moradora beneficiada

“Quando me falaram que ia ter esse projeto aqui, fui em casa e falei para os meus filhos: existe milagre”. Essa foi a reação que a dona de casa Nivalda Nadia de Oliveira Ferreira, 58 anos, diz que teve quando soube que a comunidade do Parque Capuava receberia o Moeda Verde.

Ela afirmou que havia muito material reciclável acumulado na casa dela. “Tinha muita garrafa de vidro guardada na minha garagem e não sabia mais o que fazer com elas, porque ninguém queria pegar. Teve noite de eu ficar pensando o que ia fazer com tudo isso aí, eram mais de 40. Eu oferecia para dar de graça e ninguém queria.”

Já a aposentada Francisca Batista Moura dos Santos vê um ganho financeiro com a ação. “Vamos dar uma boa economizada, porque o que a gente vai trocar aqui já não precisa mais comprar na feira. Daí dá para usar esse dinheiro que sobra em outras coisas”, comentou. METRO ABC

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo