Professora com Down rebate crítica de desembargadora: 'quem discrimina é criminoso'

Por Metro Jornal

A professora Débora Seabra de Moura respondeu à desembargadora Marília Castro Neves, que em uma postagem, questionou o que professores com síndrome de Down podem ensinar a alguém. Ela é a mesma desembargadora que virou notícia na última semana após compartilhar "fake news" sobre a vereadora Marielle Franco.

Em um post no Facebook , Marília escreveu: "Ouço que o Brasil é o primeiro em alguma coisa!!! Apuro os ouvidos e ouço a pérola: o Brasil é o primeiro país a ter uma professora portadora de síndrome de Down!!! Poxa, pensei, legal, são os programas de inclusão social… Aí me perguntei: o que será que essa professora ensina a quem???? Esperem um momento que eu fui ali me matar e já volto, tá?"

Débora, a primeira professora com síndome de Down no país, respondeu às críticas, afirmando que preconceito é crime e "quem discrimina é criminoso".

Não quero bater boca com você! Só quero dizer que tenho síndrome de Down e sou professora auxiliar de crianças em uma escola de Natal (RN). (…) Eu ensino muitas coisas para as crianças. A principal é que elas sejam educadas, tenham respeito pelas outras, aceitem as diferenças de cada uma, ajudem a quem precisa mais. (…) O que eu acho mais importante de tudo isso é ensinar a incluir as crianças e todo mundo pra acabar com o preconceito porque é crime. Quem discrimina é criminoso".

Débora Seabra tem 36 anos e trabalha há 13 como assistente em um colégio particular e tradicional de Natal, a Escola Doméstica. É autora de livro infantil chamado “Débora Conta Histórias” (Alfaguara Brasil, 2013) e já recebeu convites para realizar palestras em várias partes do Brasil e no exterior.

 

 

O meu recado para a juíza Marília

Posted by Debora Seabra de Moura on Monday, March 19, 2018

 

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo