Linhas de ônibus que podem 'sumir' em SP geram protesto nas redes; entenda

Por Metro Jornal

A discussão sobre o edital dos transportes públicos “pegou fogo” nos últimos dias em redes sociais. Listas de linhas de ônibus que seriam extintas com a proposta passaram a circular, algumas com erros.

Por exemplo: a 4734-10 Metrô Saúde/Vila Moraes aparece em uma das listas como a ser extinta. Porém, consultada a proposta, ela está mantida.

Outros casos de itinerários mais antigos e muito conhecidos constam na minuta do edital como reordenadas –não vão mais existir com o trajeto atual e, conforme o destino do passageiro, ele precisará pegar mais de uma condução. Nesse caso figuram, por exemplo, a 477P – Ipiranga/Rio Pequeno,  a 875A – Aeroporto/Perdizes e a 856R – Socorro/Lapa – que tem até evento de “despedida” em 30 de março .

evento fim onibus socorro Evento viralizou no Facebook / Reprodução

Ao divulgar as diretrizes do edital, a Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes estimou que a reorganização do sistema provocaria 4% a mais de baldeações do que o atual.

Como compensação, enfatizou que o modelo vai fazer os ônibus andarem mais rápido, porque haverá menos veículos – esses, maiores e com mais lugares – rodando nas vias até o centro e os menores farão trajetos mais curtos, com menores intervalos, e os passageiros, mesmo que tiverem que trocar mais vezes de veículos, vão chegar antes a seu destino.

O secretário municipal de Mobilidade e Transportes, Sérgio Avelleda, disse ao Metro Jornal que as mudanças em linhas que constam da proposta podem ser alteradas inclusive depois que os novos contratos com as viações forem assinados.

“Não é por que licitamos que a rede vai ser a mesma por 20 anos, a cidade se transforma”, disse. Para  Avelleda, as listas que estão sendo divulgadas tratam alguns itinerários como extintos sem explicar que eles serão substituídos por novos que vão cobrir aquele trajeto, o que causa confusão. A SPTrans colocou em seu site uma relação das linhas atuais da cidade com a explicação de o que vai acontecer com cada uma.

O secretário destacou também que nenhuma mudança acontecerá neste ano. “Nossa estimativa é assinar os novos contratos em junho e o edital prevê que as alterações vão começar seis meses após a assinatura. E  elas se darão ao longo de 30 meses, não serão de uma vez”, afirmou.

Em alguns casos, a linha atual e a futura vão rodar ao mesmo tempo, de acordo com Avelleda, para que os passageiros possam se acostumar.

O presidente do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de São Paulo, Valdevan Noventa, pediu maior transparência no processo de licitação do transporte publico.

Em nota, Noventa destacou que o modelo de licitação proposto pela prefeitura – tendo como eixo uma nova rede de transporte – suprime mais de 1.000 ônibus da atual frota (já defasada), que será responsável pela demissão de 4.000 trabalhadores de seus postos de trabalho. O edital não prevê realocação de motoristas e cobradores dentro do sistema.

Consulta pública: participação vai até hoje

Acaba hoje o prazo da consulta pública do edital do ônibus. A população ainda pode fazer críticas e sugestões até hoje à proposta, antes que vire o documento final para a licitação.

As mensagens podem ser enviadas pelo  e-mail [email protected] Pelo site do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) também é possível participar.

Rafael Calabria, do Idec, diz que é importante que a prefeitura tenha avaliações depois que começar a implementação das mudanças. “A comunicação precisa ser facilitada e estar aberta”, disse.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo