Mais uma modelo é encontrada morta e desfigurada com ácido; casos chocam o México

Por Metro Internacional

No dia 23 de fevereiro, uma sexta-feira, Kenny, uma modelo venezuelana, participou de um festival de música eletrônica no município de Ecatepec, no México, e não voltou para casa com vida.

No domingo, as autoridades encontraram seu corpo em frente a uma escola. Ela tinha sido estuprada, torturada e seu rosto foi desfigurado com ácido e coberto com fita adesiva.

Pelo testemunho de seus amigos, Kenny foi ao show convidada por um homem que entrou em contato com ela nas redes sociais e, aparentemente, contratou seus serviços de “escort girl” – garotas agenciadas para acompanharem quem deseja se divertir e conhecer a vida noturna ou atrações sexuais de um determinado lugar.

Esse tipo de serviço também é conhecido aqui no Brasil e geralmente é utilizado por turistas. Nesses casos, a relação sexual é um subproduto do acordo.

A jovem se oferecia como escort em um site da internet, uma página que também está envolvida na investigação de outros dois assassinatos de modelos estrangeiras que trabalharam lá: Karen, da Argentina, e Genesis Uliannys, também venezuelana.

De acordo com informações que foram divulgadas no momento por um funcionário da Procuradoria Geral da Cidade do México ao Infobae, os assassinatos agora fazem parte de uma investigação mais ampla sobre uma rede de tráfico de mulheres que atua na Argentina e tem conexão com o México.

Até o momento, não existe informações sobre o andamento desses inquéritos, e as autoridades da Cidade do México rejeitaram os pedidos de entrevista sobre o assunto.

Outros assassinatos

Foto Reprodução / Zonadivas e Facebook

No final de dezembro de 2017, a jovem argentina Karen Ailen Grodzinski, de 24 anos e também modelo do site, foi assassinada no hotel Pasadena, na Cidade do México.

Um mês e meio antes, em 16 de novembro, o corpo de Genesis Gibson Jaimes, venezuelana de 24 anos, foi encontrado no hotel Platinum da capital. Ela também trabalhava para a mesma agência.

Todos os assassinatos permanecem impunes.

 

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo