Homem matou enteado de seis meses após confundi-lo com uma aranha

Por Metro Internacional

Em Melbourne, Austrália, um homem está sendo julgado por matar o bebê da sua parceira, em junho de 2016. O acusado declarou que a morte foi um acidente e ocorreu depois que ele "confundiu o bebê com uma aranha".

Às quatro da manhã do dia fatídico, Michelle Dearing, mãe da criança, tinha ido ao supermercado, deixando seu parceiro responsável pelo menor.

O acusado, Dawney Lindsey, disse que nesse momento adormeceu com o bebê no peito e ao acordar pensou que a criança fosse uma "aranha". Por isso, se levantou rapidamente e deixou o bebê cair e bater a cabeça em um aquecedor.

De acordo com certas testemunhas, o homem teria ficado zangado porque a mulher foi às compras com seus amigos. O menino sofreu sérios ferimentos no cérebro e na medula espinhal, o que o levou a morte. Ele tinha apenas seis meses de idade.

De acordo com os relatórios da promotoria, a versão do suspeito não coincide com uma morte acidental.

Um vizinho declarou que não podia dormir naquela noite por causa dos gritos vindos da casa do casal, que durou até as primeiras horas da manhã. Então, por volta das oito da manhã, ele ouviu que o homem estava tentando acordar o bebê. Ele dizia "hey you" repetidamente, cerca de 60 vezes, de acordo com a testemunha.

"Há algo de errado com o bebê, venha para casa", o vizinho ouviu por volta das 8:20 da manhã.

Enquanto a morte polêmica de Chayse parece ter sido explicada, os promotores alegam a intenção de Lindsey de causar danos. A acusação se baseia, entre outras coisas, nas amostras de sangue encontradas nas paredes, o que não coincidem com o testemunho do acusado.

De acordo com outra testemunha chave, o homem admitiu ter chutado e espancado a criança. Os médicos concordam com a teoria de que as lesões do corpo não eram acidentais.

Segundo o Publimetro, do Chile, o julgamento do acusado continuará ao longo desta semana.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo