Refugiados em SP contam como 'decifram' o português

Imigrantes e refugiados de quase 200 nacionalidades, fugindo de crises econômicas, ditaduras e guerras, chegam à cidade sem falar português e transformam São Paulo em uma capital de muitas línguas

Por Carlos Minuano - Metro Jornal
André Porto/ Metro
Refugiados em SP contam como 'decifram' o português
selo sp estrangeira

Uma simples caminhada  pelas ruas de São Paulo pode parecer um passeio por terras estrangeiras. A variedade de idiomas que se ouve pela cidade é cada vez maior. São imigrantes e refugiados, de quase 200 nacionalidades, à procura de um lugar para chamar de seu, forçados a deixarem seus países, seja por crises econômicas agudas, ditaduras violentas ou guerras.

Visivelmente nervoso, o jovem refugiado Y.D. (que prefere não ser identificado) falava com dificuldade com a professora durante uma aula do curso de português para refugiados no Sesc Carmo, no centro de São Paulo. Recém-chegado da Mauritânia, país islâmico ao noroeste da África, ele precisava ir ao médico e pedia ajuda para explicar que sentia tontura e que até chegou a cair. A dificuldade para se comunicar é um dos principais obstáculos para quem busca refúgio em outro país.

Clariana Lucas, docente do Senac, que ministra as aulas no Sesc Carmo desde 2015, escreveu uma carta informando os sintomas relatados pelo rapaz para que ele levasse ao médico. “É uma situação comum”, diz a professora. Ela admite que a tarefa não é fácil. “Além da língua, tem toda uma diferença cultural.”

LEIA MAIS:
Os estrangeiros que estão repaginando São Paulo com novos sotaques, sabores e culturas
Imigrantes acrescentam novos sabores e temperos ao cardápio de São Paulo
Roupas e acessórios típicos de imigrantes conquistam moradores de São Paulo
Chefe do escritório da ONU para os refugiados em SP fala sobre o acolhimento aos estrangeiros

Não faltam situações de confusão com o idioma. Outro aluno também teve problemas relacionados à consulta médica. A receita listava vários remédios, mas o refugiado não entendia o que estava escrito e, por não ter dinheiro para comprar todos, escolheu às cegas e acabou sem o principal medicamento: o antibiótico.

“As dificuldades são diferentes para cada um. Os falantes de inglês, por exemplo, têm que lidar com uma gramática muito diferente. Mas o maior desafio para todos é aceitar que precisam aprender este idioma”, diz a docente do Sesc. Para ela, essa barreira tem relação com a aceitação (ou não) da nova realidade que vivem.

A oferta de cursos gratuito de português é, aliás, um dos atrativos para refugiados no país. Antes de vir ao Brasil, o congolês Ibrahim Kambi tentou se refugiar na Argentina, mas não encontrou cursos gratuitos de idioma por lá. Desembarcou na capital paulista há poucos meses, segundo ele, fugindo da prisão ou da morte por ter questionado os políticos do seu país.

O congolês estuda atualmente na Adus (Instituto de Reintegração do Refugiado – Brasil), outra instituição que oferece aulas gratuitas de português para refugiados na cidade. “Na Argentina não tinha nada disso”, diz Kambi.

Cursos na periferia

A rede municipal de ensino desde o meio do ano passado está oferecendo também aulas gratuitas de português em regiões de alta vulnerabilidade social da cidade onde há pouca oferta de cursos e com maior incidência da população imigrante e refugiada. A iniciativa é uma parceria entre as secretarias municipais de Educação e de Direitos Humanos e Cidadania. As aulas são oferecidas em 10 unidades  nas zonas norte e leste, principalmente no período noturno:

Zona Norte

EMEF Dona Angelina Maffei Vita

EMEF João Domingues Sampaio

EMEF Infante Dom Henrique

EMEF Vereador Antonio Sampaio

Zona Leste

EMEF Presidente Epitácio Pessoa

EMEF Profa. Conceição Aparecida de Jesus

EMEF José Maria Whitaker

EMEF Dr. Fábio Silva Prado

EMEF Arthur Azevedo

EMEF CEU Jambeiro


Zubaida Al Hariri A síria Zubaida Al Hariri aprendeu rápido o português e quer ser professora / André Porto/ Metro

“Bombas impediam de estudar”, diz jovem síria

Usando o véu conhecido como hijab, típico da cultura islâmica, a sorridente Zubaida Al Hariri, 12 anos, nascida em Damasco, capital da Síria, conversou com a reportagem do Metro Jornal sobre o drama que a tornou uma refugiada. Há dois anos no Brasil com sua família – os pais e dois irmãos -, simpática e falante, demonstrou que já domina o português e relembrou os motivos que a fizeram sair de sua terra.

“As pessoas estão morrendo por causa da guerra, as casas estão sendo destruídas por bombas, não conseguia mais nem estudar, muitas vezes quando estava indo para a escola, chegava aviso de bombardeios e não podia ir, ou se fosse não conseguia prestar atenção na aula”, conta a jovem.

Sua casa não chegou a ser destruída por bombas, mas teve janelas e paredes afetadas. Mas ela afirma que, apesar disso, a violência da guerra na Síria atingiu sua família de outras maneiras. “Três primos do meu pai morreram, e um irmão dele está desaparecido.”

Vida nova

Há um ano ela está com a família em São Paulo, atualmente cursa a sétima série do ensino fundamental, na Escola Estadual Eduardo Prado, no Brás. “É o lugar onde mais gosto de estar”, diz. Ela tem planos para o futuro. “Quero ser professora de arte, gosto muito de desenhar, mas também posso ensinar português, geografia e história que são matérias de que eu gosto.”

Zubaida também participa das aulas de português do programa de educação da ONG IKMR (I Know My Rights, Eu Conheço Meus Direitos, em português), no Brás, centro. Adaptada ao país, ela admite que sente saudade de Damasco. “Queria voltar para minha cidade, mas não dá.”  


Cursos de português para refugiados

Caritas Arquidiocesana de São Paulo.  Rua José Bonifácio, 107, 1º andar – Centro. Tel.: 11 4873-6363. E-mail: integracao@caritassp.org.br

Compassiva. Rua da Glória, 900 – Liberdade. Tel.: 11 2537-3441. www.compassiva.org.br

BibliASPA. Rua Baronesa de Itu, 639 – Santa Cecília. Telefone: 11 99609-3188

ADUS. Avenida São João, 313 (11 andar) – Centro. Tel.: 11 3225-0439

Projeto Si, Yo Puedo – CIC do Imigrante. Praça Kantuta – Canindé. Tel.:  11 3241-3239 (Caritas SP)

Unidades do SESC em São Paulo. Carmo, Consolação e 24 de Maio. www.sescsp.org.br/unidades

Loading...
Revisa el siguiente artículo