São Paulo lança medicação preventiva para populações vulneráveis ao HIV

Por Agência Brasil
Reprodução
São Paulo lança medicação preventiva para populações vulneráveis ao HIV

Uma nova tecnologia de prevenção ao HIV, o vírus da aids, a síndrome da imunodeficiência adquirida, começa a ser oferecida na cidade de São Paulo nesta quinta-feira (18). A Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) consiste no uso de medicamentos antirretrovirais (ARVs) por soronegativos antes de uma exposição de risco ao HIV.

A prioridade para a PrEP são as populações-chave para a resposta ao HIV que vivem em situação de vulnerabilidade ao vírus e mantêm relações sexuais sem uso do preservativo, como profissionais do sexo, homens e mulheres trans, casais sorodiferentes (quando um tem HIV e o outro, não), gays e outros homens que fazem sexo com homens (HSH).

O supervisor de visual merchandising Paulo Rodrigo Silva Gonçalves, de 36 anos, usa a PrEP há três anos. Ele é um dos voluntários da fase de pesquisa do programa, que agora chega às populações-chave. Gonçalves segue o protocolo do programa, que indica o uso do preservativo, mas ressalta que a PrEP foi importante para os momentos de vulnerabilidade.

“Tive parceiros soropositivos, por isso, foi importante eu participar do programa. Indico a PrEP, principalmente para quem tem parceiros soropositivos e para qualquer outra questão, porque é muito vasta a opção de usar esse medicamento e por vários motivos.” Gonçalves diz que não sentiu efeitos colaterais.

Na fase inicial, a profilaxia está disponível no Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) de Santo Amaro, na zona sul, bem como nos serviços de Assistência Especializada Butantã, na zona oeste, de Fidélis Ribeiro, na zona leste, e no de Ceci, na zona sul. Em fevereiro, a PrEP chega ao CTA Pirituba, na região norte.

A Profilaxia Pré-Exposição será oferecida também no Serviço de Extensão ao Atendimento de Pacientes HIV/Aids – Casa da Aids – Faculdade de Medicina da Universidade de São, Ambulatório de HIV/aods da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e no Centro de Referência e Treinamento (CRT) em DST/Aids. No site do Ministério da Saúde há informações detalhadas para os interessados em usar o medicamento.

Além da capital paulista, 21 munícipios de 10 estados e o Distrito Federal vão disponibilizar a Profilaxia Pré-Exposição. São cidades como Manaus, Salvador, Fortaleza, Belo Horizonte, Recife, Curitiba, Rio de Janeiro e Porto Alegre. O Brasil é o primeiro país da América Latina a contar com a PrEP entre as alternativas de prevenção ao HIV em seu sistema público de saúde.

Atualmente, a tecnologia é comercializada na rede privada dos Estados Unidos, da Bélgica, da Escócia, do Peru e do Canadá e está disponível na rede pública de saúde da França e da África do Sul. A Profilaxia Pré-Exposição é recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) desde 2012.

A PrEP faz parte de uma nova abordagem para resposta ao HIV. Trata-se de um cardápio de tecnologias de prevenção ao HIV/Aids, que inclui o tradicional preservativo, mas também a testagem, tratamento, imunização, diagnóstico, redução de danos, prevenção à transmissão vertical e a Profilaxia Pós-Exposição, que dão à pessoa e ao profissional de saúde a possibilidade escolher uma metodologia ou combinar várias que se adaptem às necessidades e ao momento de vida do usuário.

Na capital paulista, o PrEP foi lançado no CTA de Santo Amaro, na presença das coordenadoras municipal e estadual de DST/Aids de São Paulo, Cristina Abbate e Maria Clara Gianna, respectivamente, e da diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/AIDS e das Hepatites Virais (DIAHV), do Ministério da Saúde, Adele Schwartz Benzaken, além de voluntários do programa, profissionais de saúde e interessados no assunto.

Medicação X Vacina

Como ainda não existe vacina contra o vírus HIV, a PrEP é uma tecnologia que impacta diretamente na resposta ao vírus, diz a diretora do DIAHV, Adele Schwartz Benzaken. “A PrEP é uma medicação usada na terapia antirretrovitral.  As concentrações desse medicamento ficam na genitália dos usuários, o que impede que o vírus entre no organismo da pessoa porque inibe uma enzima e faz com que a pessoa não se infecte. Existe uma grande diferença: uma [a vacina] é no sistema imunológico, e esse é um medicamento para a terapia antirretroviral.”

Na opinião de Adele, a adesão é importante para o sucesso da terapia. “O comprimido tem que ser tomado diariamente para fazer essa proteção, pois, se isso não for feito, a concentração do medicamento não é suficiente para inibir o vírus.”

Adele diz que os efeitos colaterais da medicação são apenas gastrointestinais, como náuseas, mas a eficácia é alta. “A taxa de eficácia é de quase 100%, quando se tem a adesão. Depende muito do usuário; não dá para tomar somente um dia. Em países da Europa, a PrEP mostrou-se como uma das terapias mais eficazes para reduzir a incidência, principalmente entre homens que fazem sexo com homens.”

Adele ressalta que o uso contínuo da PrEP não leva a uma tendência de diminuição do uso do preservativo e à incidência de outras doenças sexualmente transmissíveis nos grupos de voluntários observados. “O que alguns estudos controlados têm demonstrado é que a PrEP aumenta a adesão ao preservativo. Também é uma forma de aumentar a cobertura do diagnóstico do HIV, porque as pessoas que têm vulnerabilidade procuram o serviço de saúde para [retirar] a PrEP. Assim a consulta com o profissional de saúde pode levar essa pessoa a incorporar mais vezes o uso do preservativo.”

Investimento

O investimento no programa foi de R$ 9 milhões e permitiu a compra de mais de 3,5 milhões pílulas. “Cada comprimido custou U$ 0,75 para o ministério, e foram adquiridos 9 mil medicamentos para um ano de PrEP”, informa Adele.

Ainda em fase de projeto de pesquisa, a PrEP poderá futuramente ser ofertada a adolescentes. “O estudo vai demonstrar se adolescentes podem tomar o medicamento, se têm adesão, quais são os efeitos colaterais que não são vistos na população adulta. Estamos esperando o resultado desse projeto de pesquisa para tentar incorporar os adolescentes para usarem PrEP também”.

Segundo a diretora DIAHV, até o fim deste semestre, o programa deve chegar a outros estados. “Até julho teremos pelo menos uma serviço em cada capital brasileira.”

Loading...
Revisa el siguiente artículo