Idosos de SCS vão responder questões para receber vacina contra a febre amarela

Secretária de Saúde afirma que todas os postos terão as doses fracionadas

Por Vanessa Selicani - Metro Jornal ABC
Free images
Idosos de SCS vão responder questões para receber vacina contra a febre amarela

A secretária de Saúde de São Caetano, Regina Maura Zetone, disse que os idosos vão poder tomar a vacina fracionada da campanha contra a febre amarela entre o próximo dia 29 até 17 de fevereiro.

A recomendação atual é de que pessoas com mais de 60 anos só recebam a dose após prescrição médica.

Mas, após reunião ontem com a Secretaria de Estado da Saúde, Regina afirmou que foi decidido que será aplicado questionário para esse público. O mesmo vai valer para as grávidas, que atualmente também dependem do aval médico. “Os agentes de saúde serão treinados para os questionamentos. Vão precisar da prescrição para vacina apenas aqueles pacientes que apresentarem doenças crônicas, como hipertensão e diabetes.”

De acordo com Regina, todas as unidades básicas de saúde vão fornecer as doses fracionadas durante a campanha. As que são aplicadas hoje possuem 0,5 ml, já as fracionadas terão 0,1 ml. O tempo de duração da proteção também é diferente.  A integral dura para toda a vida e a outra, por até oito anos.

Uma nova reunião deve ser realizada entre Estado e municípios do ABC para definir estratégias para a vacinação. Procuradas, as prefeituras de Santo André e São Bernardo não confirmaram se as cidades também adotarão as medidas de São Caetano. A meta da campanha é imunizar 2,3 milhões de pessoas nas sete cidades.

Alta procura

Os postos, que atualmente têm orientação para vacinar apenas quem vai viajar para áreas de risco, registram grande procura por doses.

No ABC, só São Caetano tem vacinação diariamente, o que atrai moradores de cidades vizinhas. “As próprias unidades dos outros municípios pedem para o paciente vir para cá”, disse Regina.

O número de doses distribuídas na cidade é bem superior que no restante do ABC. Desde o início de 2018, foram 5 mil, enquanto São Bernardo imunizou 1,6 mil e Santo André, 2,1 mil.

São Caetano ficaria de fora da campanha que começa dia 21, mas foi incluída anteontem após nova análise do governo estadual. A secretária conta que foi preciso diálogo com o Estado para incluir a cidade. “Houve uma conversa, do prefeito (José Auricchio Júnior) com o governador (Geraldo Alckmin), para entender um pouco melhor. A cidade não tem mata em toda sua vizinhança, por isso não receberia. Mas como a intenção é vacinar o Estado e o município tem serviço organizado, fomos incluídos.”

 

Morador pode ter morrido por causa da doença

A Secretaria de Saúde de Santo André investiga a morte de um morador da cidade que pode ter sido vítima da febre amarela.

De acordo com o Departamento de Vigilância à Saúdo município, um homem de 56 anos esteve na cidade de Dourados, no Mato Grosso do Sul, no período de 23 de dezembro a 6 de janeiro. A cidade é considerada de risco para a doença.

O paciente deu entrada no domingo no Hospital Bartira, da rede particular, e faleceu no mesmo dia. O Serviço de Verificação de Óbito registrou como causa da morte infarto agudo e ruptura de parede do miocárdio. A prefeitura afirma que o hospital particular coletou sorologia para febre amarela, que deve indicar se a doença é a causa em até 30 dias.

A Secretaria de Saúde diz que o possível contágio não aconteceu na cidade porque “o município não é área de risco e o tempo de aparição dos sintomas condiz com a infecção durante a viagem.”

Uma moradora de Santo André morreu no ano passado vítima da febre amarela, mas ela também havia passado por área de risco em Minas Gerais.

Arte febre amarela

 

Loading...
Revisa el siguiente artículo