Pedinte arrecada até R$ 200 por dia em Cumbica

Por Estadão Conteúdo

O primeiro chamado é discreto. "Moço", fala baixinho. Se a atenção não vem, repete mais alto. "Moço! Me dá uma ajuda, pelo amor de Deus?!", diz o homem, a expressão aflita, os braços abertos como se estivesse perdido. Está no saguão do Terminal 2 de Cumbica, é perto do meio-dia. De camisa social, calça jeans e o cabelo curto, é aparentemente um passageiro. Empurra um carrinho com três malas – uma criança, não mais do que 4 anos, está sentada sobre elas. Na sua cola, uma mulher carrega outra menininha, ainda menor.

À reportagem, o homem confessa que se trata de encenação para conseguir dinheiro. O carrinho, as malas, a roupa em bom estado, tudo foi pensado para ser uma espécie de disfarce. Serve para que a família se misture ao público do aeroporto e ainda drible os vigias. "Ou então não me deixam circular", diz. "E se eu falar que estou desempregado, ninguém me ajuda."

Aos passageiros, conta que acabou de chegar de viagem e está sem dinheiro. "Estou tentando voltar para Campinas", repete. Mesmo sem entrar em detalhes, convence muitos. "Por dia, dá para tirar uns R$ 200."

"Você quer saber a real mesmo, né? Sou de Salvador, estou aqui em São Paulo faz quatro meses", o homem começa. "Um pessoal da família me arrumou um emprego, mas o trabalho acabou. O aluguel é caro, fora cinco filhos e os netos. Aí, tem de pedir, né?", justifica. "A verdade é essa. Só não dou meu nome por que, aí, complica pro meu lado. 'É nóis'. Fica com Deus."

Ambulantes

Um rapaz magricelo, de óculos de grau e cabelo repartido para o lado, aborda um homem que lê na área de desembarque internacional. "Boa tarde, estou arrecadando dinheiro para uma missão na África e tenho esse livro aqui", diz, sacando um exemplar escondido em uma mochila. "É só dar quanto acha que vale e…" O homem interrompe, afirmando que está sem dinheiro. O rapaz rebate: "Pode ser no cartão".

Depois, consegue vender um livro para a professora Ana Laura de Abreu, de 26 anos, em um restaurante no Terminal 3. "Ele foi simpático. Quando a abordagem é exagerada, incomoda. Neste caso, não." A ela, contou que estuda Psicologia e precisa de dinheiro para o curso.

Passageiros reclamam

Um homem de camisa azul e boné entra no restaurante e aborda uma família que está acabando um lanche no Terminal 3 do Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos. Sentado à mesa, um senhor esconde o celular que estava exposto. O pedinte continua. Conta que coleta material reciclável e faltou dinheiro para consertar a carroça. Segundos depois, dá as costas e, sem conseguir o trocado, sai à procura de outras pessoas.

Um dos presentes na cena, o advogado Valdir Lamera, de 60 anos, reprova a situação. "Em 40 minutos, já é o segundo que passa aqui", reclama. Na percepção dele e de outros frequentadores de Cumbica, o número de pedintes tem subido nas dependências do aeroporto. Como consequência, relatam aumento da sensação de insegurança.

Para circular por Cumbica, os pedintes tomam cuidado para manter a aparência nos trinques e quase sempre carregam mochilas ou malas. Abordam passageiros principalmente em áreas de lanchonetes. Lá, também estão concentradas crianças que, em duplas, se oferecem para engraxar sapatos. Conseguem, às vezes, doações graúdas, de R$ 50 ou em dólar ou euro.

Ambulantes também oferecem seus produtos – de livro a carregador de celular – pelos saguões dos Terminais 1, 2 e 3. O comércio ilegal, entretanto, é mais frequente na parte externa do aeroporto, onde os vendedores usam carrinhos de bagagem para transportar isopor com água, café, refrigerante, cerveja e sanduíche natural.

A professora Ana Lúcia Ubeda, de 50 anos, que também está sentada à mesa, concorda quando Lamera diz que o assédio incomoda. "Tem cada vez mais gente pedindo. O problema é que você não tem como saber se a pessoa realmente precisa ou se é só uma desculpa." O advogado acrescenta: "E é só olhar em volta: não tem fiscalização".

A falta de funcionários de segurança também é uma das principais reclamações do gerente de logística Emilio Martinez, de 43 anos. No início do mês, ele foi buscar a mulher, que retornava em um voo noturno da Argentina, e chegou com três horas de antecedência em Cumbica. "Fui abordado por nove pedintes. São senhoras, crianças, adultos. Fiquei pasmo, nunca vi isso na minha vida", afirma o gerente, que frequenta o aeroporto desde os anos 1980 e fez uma reclamação formal à Ouvidoria.

Na queixa, Martinez descreve que uma senhora, ao ser abordada na fila de um café, pagou um lanche para um engraxate. "Tio, você pode dar o refrigerante?", perguntou o menino. O gerente desembolsou R$ 2 e foi se sentar. Ao ligar o computador, outro rapaz, aparentando ter menos de 18 anos, pediu um trocado para cortar o cabelo. "Se eu der dinheiro para todo mundo, fico sem", respondeu. Foi quando o adolescente subiu o tom. "Vocês que viajam para fora têm dinheiro", retrucou. "Fica esperto que meus amigos estão de olho."

"Me senti ameaçado", diz Martinez, que buscou ajuda no aeroporto, mas não encontrou. Na queixa à Ouvidoria, escreveu: "Quero deixar claro, aqui, minha indignação, pois já viajei para diversos países no mundo, e pela primeira vez em minha vida, em Guarulhos, vi a decadência dos serviços prestados".

Recebeu resposta da GRU Airport, que administra o aeroporto, em que a concessionária lamenta e diz que o espaço é "adequado e seguro para a permanência". Cita, ainda, o sistema de monitoramento de Cumbica, com câmeras que permitem "identificar e fazer, quando aplicável, a repressão adequada". "É desagradável ser abordado a todo o momento e, para mitigar essas situações, a Equipe GRU Airport de Segurança se empenha dentro da sua capacidade."

Segurança

"Pode colocar 50 mil câmeras que só vai filmar. Sem funcionário para ir lá e coibir, não adianta", diz José Carlos Domingos, diretor do Sindicato Nacional dos Aeroviários. Em fevereiro, a entidade denunciou a demissão de cerca de 180 funcionários do aeroporto – entre eles, profissionais de segurança. "Uma coisa está diretamente ligada à outra: com menos gente rodando, acaba não vendo tudo que acontece."

No Terminal 1, um segurança vigia o espaço, sentado em um posto de observação, sem notar um casal com mochila nas costas que pede esmola discretamente. "Ah, tem pedinte profissional, com carteirinha", diz, ao ser abordado pela reportagem. E a segurança não faz nada? "A gente já levou na delegacia do aeroporto, mas aí a polícia diz: 'Vê na Constituição se pedir é crime'. O que a gente pode fazer é colocar da porta pra fora."

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo