Obras para a despoluição da Billings começam em janeiro

Programa vai construir estações e redes coletoras para levar esgoto dos bairros no entorno da represa para tratamento

Por Metro Jornal ABC

Bairros localizados no entorno da represa Billings vão receber obras de esgotamento sanitário a partir do próximo mês. Prefeitura de São Bernardo e Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) assinaram ontem o  termo  de  autorização para início dos trabalhos do Programa Pró-Billings na região do Alvarenga.

Serão construídas 34 estações elevatórias para bombeamento de esgoto,  51  km  de  redes  coletoras,  9,5  km  de coletores-tronco e 8 mil ligações domiciliares.

As obras vão levar o esgoto antes despejado in natura nas águas da Billings para tratamento na ETE (Estação de Tratamento  de  Esgoto)  ABC, localizada na divisa entre São Caetano e São Paulo.

O objetivo é coletar e tratar 100% dos dejetos sanitários do Grande Alvarenga até 2020, reduzindo em 700 metros cúbicos o volume de poluição mensalmente jogada na represa.
Esta primeira fase do programa vai custar R$ 89,3 milhões, financiados com  recursos  da  Sabesp,  do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e da Jica (Agência de Cooperação Internacional do Japão).

Serão beneficiados cerca de 250 mil moradores em regiões como Jardim Laura, Las Palmas, Pinheirinho, Los Angeles, Represa e Imigrantes.

A licitação para a segunda fase de obras deve ser lançada no próximo mês, com custo estimado de R$ 110 milhões. Ela vai contemplar 38 quilômetros de redes de esgoto, cinco estações elevatórias e 11,5 quilômetros de coletores-tronco.

Poluição
O Metro Jornal mostrou em setembro a condição degradante das águas da represa Billings. Entre as principais fontes de poluição estão o despejo sem tratamento de esgoto e a reversão do rio Pinheiros em dias de chuva intensa na capital.

As águas da Billings abastecem diariamente cerca de 1,6 milhão de pessoas na região.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo