Calçadões repletos de buracos ameaçam pedestres em SP; Prefeitura promete revilitação

Por Metro Jornal
André Porto/Metro Jornal
Calçadões repletos de buracos ameaçam pedestres em SP; Prefeitura promete revilitação

Já imaginou ter seu trabalho prejudicado pelas más condições das calçadas? A autônoma Daiane do Nascimento Fortes, 25 anos, entrega doces a pé e sabe bem como é isso. “Uma vez meu carrinho passou em um buraco, as sacolas caíram e os brigadeiros que estavam dentro delas viraram”, contou Daiane, que trabalha no calçadão próximo à estação República do Metrô (centro).

O Metro Jornal andou pela região e não demorou a encontrar deformações nas vias. Logo no início do calçadão da rua Sete de Abril, que passou por reformas no ano passado, um solapamento obriga pedestres a desviar.

Mais à frente, um buraco – localizado ao lado do piso guia para deficientes visuais – foi coberto de areia pelos próprios comerciantes.

O cenário é o mesmo em ruas como Barão de Itapetininga, Dom José de Barros, Conselheiro Crispiniano e 24 de Maio, onde o piso é de pedras portuguesas. Além dos buracos, quem mora e trabalha na região convive com infiltração. “Se chove, os comércios com subsolo enchem de água”, diz o sociólogo Fábio Batista, 39 anos.

Na sexta-feira, a Prefeitura de São Paulo anunciou que irá refazer as calçadas do centro a partir de janeiro do ano que vem, com apoio de empresas. Segundo o prefeito João Doria (PSDB), as pedras portuguesas serão substituídas por concreto (mais barato), e a região do calçadão deve ficar pronta até o fim de 2019. A proposta é controversa e ainda depende de autorização do patrimônio histórico.  

Loading...
Revisa el siguiente artículo