Shopping 25 deve manter ‘pirataria’, diz funcionário

Por Agostinho Teixeira - Rádio Bandeirantes
Rivaldo Gomes/Folhapress
Shopping 25 deve manter ‘pirataria’, diz funcionário

Um funcionário do Shopping 25 de Março (centro) garante que os produtos falsificados continuarão a ser vendidos normalmente após a reabertura do espaço.

Na terça-feira, a administração do shopping e a Prefeitura de São Paulo assinaram um acordo, determinando que o local poderá abrir novamente com a condição de não vender mercadorias desse tipo.

Segundo o funcionário, porém, basta pagar R$ 700 mensais de propina para “nenhum fiscal mexer com você”. A reportagem da Rádio Bandeirantes conseguiu negociar por telefone um espaço para vender produtos falsificados. A prefeitura disse que, caso o acordo seja descumprido, a multa de R$ 100 mil será cobrada.  

Outro lado

Nota de esclarecimento:

A propósito da matéria jornalística publicada pelo Metro Jornal, de autoria do repórter Agostinho Teixeira, da Rádio Bandeirantes, na qual teria sido ouvido um “agenciador” supostamente falando em nome do Shopping 25 de Março, a Maxim Administração e Participações, proprietária do Shopping, esclarece:

A Maxim refuta completamente e com veemência as acusações infundadas trazidas na referida reportagem. Primeiramente, cabe esclarecer que ninguém está autorizado a agenciar a comercialização dos espaços do Shopping, a não ser a própria administração do empreendimento.

O suposto agenciador em nenhum momento foi identificado pela reportagem.

Por fim, cabe destacar que a Maxim Administração e Participações está plenamente empenhada em cumprir rigorosamente todos os termos do acordo firmado com a Prefeitura de São Paulo, bem como com o Ministério Público, a fim de assegurar a reabertura do centro comercial com absoluta observância às leis e melhores práticas de responsabilidade e conformidade.

Loading...
Revisa el siguiente artículo