Em SP, valor de folha da Zona Azul é devolvido como crédito de aplicativo

Por Giovanna Ribeiro
Cartões em papel não valerão a partir do próximo dia 5 | André Porto/Metro Cartões em papel não valerão a partir do próximo dia 5 | André Porto/Metro

Desde o dia 21 de novembro, a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) vem fazendo o reembolso dos cartões de papel da Zona Azul, que não valerão mais a partir do próximo dia 5. No entanto, quem chega ao prédio da empresa, na rua Senador Feijó (centro), se surpreende: o valor é devolvido apenas em forma de crédito nos aplicativos credenciados.

“Vim até aqui achando que conseguiria recuperar o dinheiro. Aliás, eu e todo mundo que estava na sala”, conta o instalador de câmeras Douglas de Jesus, de 23 anos, que nunca utilizou os aplicativos e que recuperou sete talões de Zona Azul em créditos digitais.

A psicóloga Eliane Rodrigues, de 64 anos, também esperava receber o valor de seus nove talões em espécie. “Da última vez que precisei trocar meus cartões, a CET devolveu em dinheiro. Aceitei os créditos para não perder tudo o que gastei, mas eu nunca usei o aplicativo. Nem sei mexer muito bem no celular”, fala.

A CET confirmou que os motoristas que ainda têm cartões em papel da Zona Azul serão reembolsados em créditos digitais. A reportagem do Metro Jornal questionou sobre como seria feito o ressarcimento em caso de pessoas que não têm smartphone, mas a empresa não se pronunciou.

Mais de 705 motoristas foram reembolsados, com mais de 6.150 créditos digitais.

A Zona Azul Digital passou a funcionar na cidade em julho e está disponível em quatro plataformas: os aplicativos Estacionamento Eletrônico, Digipare, Vaga Inteligente e Zona Azul Fácil SP.

É possível adquirir os créditos em pontos físicos, que funcionam em estabelecimentos comerciais. 

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo