Marido diz que grávida morreu por negligência

Por lyafichmann
O marido Antônio Marcos com foto de Mariana | Robson Ventura/Folhapress O marido Antônio Marcos com foto de Mariana | Robson Ventura/Folhapress

A família de uma gestante que morreu neste domingo no Hospital Geral do Grajaú, na zona sul, acusa a instituição de negligência.

Mariana Alves dos Santos tinha 18 anos e estava grávida de nove meses. Ela se sentiu mal na madrugada de sábado, e procurou o hospital com uma crise de bronquite. Segundo seu marido, Mariana relatou ao obstetra sentir muitas dores nas pernas e nas costas.

Depois de realizar exames de urina e sangue, a equipe informou ao casal que Mariana estava com pressão alta. O médico prescreveu o medicamento Visken e  liberou a paciente. Segundo a família, após tomar a medicação, Mariana  começou a sentir fortes dores no peito. Levada novamente ao hospital em estado grave, ela não resistiu. O bebê também morreu. O caso foi registrado no 1010 DP (Jardim Imbuias) como morte suspeita. A polícia abriu um inquérito e vai ouvir os familiares da vítima.

Outro lado

A direção do hospital afirma que a paciente foi atendida no sábado com queixa de dores no ventre e pressão alta e não relatou nenhum problema respiratório. Ela teve alta às 3h de domingo, com pressão estabilizada e plenas condições de ir para casa. Às 7h24, voltou à unidade, encaminhada pela AMA, já em estado gravíssimo, e foi levada para a sala de emergência para reanimação e realização do parto. No momento em que realizou a cesárea, a equipe médica constatou o descolamento da placenta e o óbito do bebê.

O hospital lamenta a perda da família e se coloca à disposição para quaisquer esclarecimentos.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo