Salários de 1.972 professores da USP serão reduzidos

Por Tercio Braga
A medida foi tomada em meio à crise financeira vivida pela instituição | Divulgação A medida foi tomada em meio à crise financeira vivida pela instituição | Divulgação

Uma decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) prevê a redução de 1.972 salários de professores e funcionários da USP (Universidade de São Paulo) que ganham mais de R$ 20,7 mil. A medida foi tomada em meio à crise financeira vivida pela instituição.

Segundo o jornal “Folha de S. Paulo”, os benefícios pessoais conquistados antes de 2003, quando o limite foi regulamentado por emenda à Constituição, deverão ser considerados para o teto. Se a nova medida já fosse aplicada, a economia seria de R$ 7 milhões ao mês.

De acordo com a reitoria, 7% dos servidores públicos têm o salário bruto acima do valor máximo estipulado, mas serão enquadrados à nova regra. A distorção dos salários pode ser vista claramente: técnicos-administrativos, dos quais se exige nível universitário, ganham em média R$22,1 mil, quase o mesmo que os docentes titulares (máximo da carreira), que recebem R$ 23,2 mil.

Um comunicado no site da Universidade informa que a partir desta segunda-feira, dia 17, serão disponibilizados no Portal da Transparência todas as informações relativas aos vencimentos de todos os servidores docentes e técnico-administrativos, ativos e aposentados.

Além disso, a USP fará a identificação nominal de cada servidor e disponibilizará dados sobre o total do salário mensal, total líquido e parcelas eventuais (férias, antecipação de 13º salário, indenizações e atrasados a qualquer título). “A divulgação dos salários dos servidores da USP, prática comum nas instâncias públicas estaduais e federais, representa passo importante para a transparência das ações da Universidade, diretriz que deve estar presente em todas as dimensões de sua atuação”, informa o comunicado.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo