Com medo de ataques, ônibus são recolhidos após às 19h em Florianópolis

Por Tercio Braga
Suspeito de ataque é preso |  Marcos Porto/Ag. RBS/Folhapress Suspeito de ataque é preso
| Marcos Porto/Ag. RBS/Folhapress

O medo de novos ataques a ônibus motivou o Sindicato dos Rodoviários da Região Metropolitana de Florianópolis (Sintraturb) a orientar motoristas e cobradores a recolher, a partir das 19h desta quarta-feira (1º), todos os veículos que atendem parte da Grande Florianópolis. Os últimos ônibus a circular sairão do centro da cidade às 19h. A previsão é que o serviço só comece a ser normalizado a partir das 6 horas desta quinta-feira (2).

“O clima de insegurança segue”, informa o sindicato em nota divulgada por meio das redes sociais. Dezoito veículos foram incendiados desde o início da atual onda de ataques, na última sexta-feira (26). Onze deles foram queimados depois que o secretário estadual de Segurança Pública, César Grubba, afirmou, na tarde dessa segunda-feira (29), que policiais civis e militares intensificariam o patrulhamento em áreas consideradas críticas e escoltariam os ônibus que circulam pela Grande Florianópolis. Destes, três foram atacados entre às 21h de ontem e o início da madrugada de hoje, quando parte da frota deixou de circular.

“Trabalhadores e usuários do sistema de transportes são os que ficam mais expostos nessas situações de risco e, por isso, o sindicato alerta para que trabalhadores e usuários não reajam, nem tentem deter essas ações. Apenas saiam dos veículos, que não valem a vida de ninguém”, orientou o sindicato em outra nota.

Além dos 18 ônibus incendiados, um agente penitenciário aposentado foi assassinado em frente a sua casa; cinco bases e seis viaturas da Polícia Militar, além das residências de seis policiais. Dois suspeitos de envolvimento com ações criminosas foram mortos e 22 detidos. Os atentados foram registrados em 17 cidades catarinenses.

Alegando ter a situação sob controle, na segunda-feira, o governo estadual afirmou que, por ora, é desnecessário o governo federal enviar tropas da Força Nacional para reforçar a segurança e conter os ataques.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo