Moradores queimam ônibus em protesto na zona leste de São Paulo

Por Tercio Braga
Ônibus incendiado no Parque São Rafael; no detalhe, veículo usado pelos suspeitos | Cristiano Novais/Sigmapress/Folhapress Ônibus incendiado no Parque São Rafael; no detalhe, veículo usado pelos suspeitos | Cristiano Novais/Sigmapress/Folhapress

Três veículos foram queimados por volta da 0h de ontem no Parque São Rafael, na zona leste. Cerca de 100 moradores do bairro, de acordo com a PM (Polícia Militar), atearam fogo em veículos e fecharam ruas com barricadas de lixo. A reação ocorreu após a morte de um jovem durante um confronto com a PM (Polícia Militar).

Um automóvel e um caminhão de lixo foram incendiados na avenida Jacu-Pêssego, na altura da avenida Sapopemba.  Um ônibus foi queimado na rua Cinira Polônio. Ninguém ficou ferido.

A polícia afirma que flagrou, por volta das 18h de anteontem, quatro adolescentes dirigindo um veículo roubado na Jacu-Pêssego. Ao parar o carros, um dos jovens teria apontado uma arma contra os policiais, que reagiram.

O delegado Vitor Luna, do 49o DP (São Mateus), afirmou que dois jovens foram atingidos e socorridos no Hospital Geral de São Mateus. Um dos suspeitos, de 17 anos, morreu no hospital. O segundo, de 14 anos, ficou tetraplégico.

Outros dois menores, ambos com 16 anos, foram encaminhados para a Vara da Infância e da Juventude. Uma arma de fogo e outra de brinquedo foram apreendidas. Eles irão responder por ato infracional de receptação de veículos e resistência.

Segundo a PM, o veículo foi roubado na manhã de sábado em Mauá. O dono do carro, de 75 anos, não reconheceu os menores.

A PM afirma que a manifestação da madrugada durou uma hora. De acordo com a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), o acesso da Jacu-Pêssego ao Rodoanel, no sentido Mauá, ficou interditado até as 9h30 de domingo.

Morumbi

Um grupo de aproximadamente 50 pessoas, segundo a PM, incendiou lixeiras, caçambas, madeiras e colchões no Morumbi, zona oeste, na madrugada de ontem. A avenida Giovanni Gronchi e a rua João Avelino Pinho Mellão registraram atos de  vandalismo.

A ação seria um protesto contra a morte de um homem durante uma perseguição policial em Paraisópolis, no sábado. A PM afirma que o suspeito foi morto após troca de tiros durante uma abordagem. A vítima chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos. 

Loading...
Revisa el siguiente artículo