Obra de corredor BRT na radial começa em outubro

Por Nadia

Os motoristas que trafegam pela radial Leste vão precisar ter bastante paciência. Na primeira quinzena de outubro, a prefeitura inicia as obras do primeiro corredor de ônibus BRT (sigla em inglês para transporte rápido por ônibus) da cidade.

Para a realização da obra, duas das oito faixas da radial (uma em cada sentido) ficarão bloqueadas por pelo menos três anos.

Principal ligação do centro com a zona leste, a radial já é uma das vias mais congestionadas da cidade. Registra, em média, 7 km de filas às 7h. No pico da tarde, às 19h, são 8,8 km. Com a obra, a situação certamente vai piorar. “Os transtornos serão passageiros. Quando o BRT estiver pronto, os passageiros vão chegar mais rápido ao seu destino”, diz o secretário da SP Obras, Roberto Garib.

Na primeira etapa, serão 13 km de vias exclusivas, à esquerda, ligando o terminal parque Dom Pedro à estação Vila Matilde do metrô (veja quadro ao lado).

No BRT, existem áreas de pré-embarque, para que o passageiro pague a tarifa antes de entrar no ônibus. No percurso, também são construídas áreas de ultrapassagem.

Orçada em R$ 455 milhões,  a primeira etapa do BRT contará com R$ 440 milhões de recursos do PAC Mobilidade, do governo federal, e R$ 15 milhões prefeitura.

O valor inclui a construção de um túnel exclusivo para os coletivos, ligando a radial ao parque Dom Pedro.

O último entrave para o início das intervenções foi superado na última quinta-feira, quando a SP Obras, órgão da Siurb (Secretaria de Infraestrutura Urbana) conseguiu a concessão da licença ambiental.

A etapa final, com outros 5 km de extensão ligando as estações  Guilhermina e Arthur Alvim  do metrô, não tem data para começar. Para esse trecho, serão necessárias 76 desapropriações.

Também em outubro começam as obras para a construção do BRT de Itaquera, que terá 14 km, entre a estação de metrô e o terminal Vila Carrão.

As obras também levarão pelo menos três anos para serem concluídas, ao custo de R$ 225 milhões – R$ 150 milhões de recursos federais e R$ 75 milhões da prefeitura.

O projeto prevê ainda dois viadutos no cruzamento das avenidas Itaquera e Aricanduva.

‘Os motoristas vão se acostumar’, afirma Roberto Garib

O secretário da SP Obras, Roberto Garib, afirma que os transtornos da obra do BRT serão compreendidos pelos paulistanos. “Os motoristas vão se acostumar rápido com a intervenção. A CET fará os desvios necessários e não teremos grandes problemas.”

Em entrevista ao Metro Jornal, Garib diz que a administração municipal já dispõem de R$ 4,5 bilhões do PAC para obras de mobilidade.

Segundo ele, até o final de 2016, a prefeitura vai entregar 165 km de corredores. “Já  assinamos o contrato para a construção de 60,8 km de vias exclusivas para ônibus. Isso deve facilitar muito a vida do paulistano. Vivemos um outro momento da cidade. Voltado à mobilidade urbana”.

Infografia Template v3

Confira mais informações sobre os projetos de mobilidade para a zona leste

Corredor Leste – radial 1
Com 13 km de extensão, no trecho entre o terminal Parque D. Pedro e a estação Vila Matilde do Metrô.
O projeto: execução de obras e serviços de engenharia para a implantação do corredor com faixa exclusiva à esquerda e pavimento rígido nas paradas e faixas de ultrapassagem. Paradas onde os passageiros pagarão a tarifa antes do embarque no ônibus.
Prazo: 36 meses
Valor: R$ 440 milhões (PAC)/ R$ 15 milhões (prefeitura)
Valor total: R$ 455 milhões
Situação da licitação: contratado
Desembarque: esquerda
Desapropriação: previsão de seis desapropriações
Reassentamento: não previsto
Extensão: 13 km
Integração: estação/terminal Parque Dom Pedro (linha 3-vermelha do metrô); estação Belém (linha 3-vermelha do metrô); estação/terminal Tatuapé (linha 3-vermelha do metrô/linhas 11-coral e 12-safira CPTM); estação Carrão (linha 3-vermelha do metrô); estação Penha (linha 3-vermelha do metrô); estação Vila Matilde (linha 3-vermelha do metrô);
Composição da obra: viaduto sobre linha 3-vermelha do metrô (próximo à estação Penha).


Corredor Leste – radial 2

Com 5 km de extensão, dá continuidade ao corredor Leste 1 até a estação do metrô Artur Alvim.
Objeto: execução de obras e serviços de engenharia para a implantação do corredor com faixa exclusiva à esquerda e pavimento rígido nas paradas e faixas de ultrapassagem.  Paradas onde os passageiros pagarão a tarifa antes do embarque no ônibus.
Corredores Leste Radial 1 e 2: início na avenida Alcântara Machado, entre a rua da Figueira e a avenida Salim Farah Maluf. Prossegue como rua Melo Freire, avenida Conde de Frontim, rua Antonio Estevão de Carvalho e rua Dr. Luís Aires.
Prazo: 36 meses
Valor: R$ 160 milhões (PAC)/ R$ 40 milhões (prefeitura)
Valor total: R$ 200 milhões
Situação da licitação: contratado
Desembarque: esquerda
Desapropriação: previsão de 76 desapropriações
Reassentamento: não previsto
Extensão: 5 km
Integração: estação Guilhermina-Esperança (linha 3-vermelha do metrô); estação Patriarca (linha 3-vermelha do metrô); estação Artur Alvim (linha 3-vermelha do metrô);
Composição da obra: viaduto junto ao túnel de acesso à avenida Águia de Haia.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo