STF nega recurso da USP que corta ponto de grevistas

Funcionários se reuniram de manhã na USP | Marco Ambrosio/Folhapress Funcionários estão em greve há cem dias | Marco Ambrosio/Folhapress

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou pedido de liminar da Universidade de São Paulo (USP) para não pagar salários dos servidores grevistas em 48 horas. Na decisão, o ministro entendeu que os servidores têm garantido o direito de greve. Além disso, Melo argumentou que o tipo de ação pretendida pela universidade não é o meio adequado para questionar o ato da Justiça Trabalhista.

Leia mais:

TRT propõe abono de 28% para encerrar greve da USP

Na segunda-feira (1º), a Justiça Trabalhista de São Paulo determinou que a USP pague os salários de julho até o dia 5 de agosto. Na mesma decisão, o juiz proibiu a universidade de cortar os salários dos grevistas, sob multa de R$ 30 mil por descumprimento.

Nesta sexta-feira, durante a terceira audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), o desembargador Davi Furtado Meirelles fez nova proposta para pôr fim à greve dos trabalhadores da Universidade de São Paulo (USP), que começou em maio e dura 100 dias.

Loading...
Revisa el siguiente artículo