São Paulo tem 27 novos radares fiscalizando motoristas

Por Carolina Santos
Até o final do ano, capital terá 843 equipamentos em operação, diz CET   | Oswaldo Corneti/ site: fotospublicas.com Até o final do ano, capital terá 843 equipamentos em operação, diz CET | Oswaldo Corneti/ site: fotospublicas.com

A Prefeitura de São Paulo aumenta a cada semana ainda mais o cerco contra motoristas que cometem infrações nas ruas e avenidas na capital. Dos 136 novos equipamentos que a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) já tem autorização para instalar na cidade,  27 estão em plena operação.

Hoje, a capital tem 600 equipamentos, divididos entre radares fixos, móveis  e lombadas eletrônicas. A fiscalização eletrônica tem como principal alvo os condutores que trafegam acima da velocidade permitida, furam o rodízio de placas e o de caminhões e invadem corredores e faixas exclusivas de ônibus.

O cronograma da CET prevê que, até o final deste ano, serão 843 equipamentos em funcionamento. Esse crescimento deve resultar em uma arrecadação de R$ 905 milhões, segundo a Secretaria Municipal dos Transportes. Inicialmente, a pasta previa que esse valor chegaria a  R$ 1,2 bilhão, mas a conta foi refeita por conta da demora na instalação dos novos radares.

O número de infrações aplicadas deve chegar a 11 milhões, superando a marca de 10,1 milhões de 2013.  O último balanço da Secretaria de Planejamento aponta para uma arrecadação de R$ 405 milhões até junho deste ano, um crescimento de 4% na comparação com o mesmo período do ano passado.

Na avaliação do secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto, o saldo expressivo não justifica as acusações de indústria da multa ou simples medida arrecadatória por parte da prefeitura.

Ele afirma que  os novos equipamentos irão fiscalizar áreas que não eram monitoradas pela prefeitura anteriormente, o que facilitava a vida do motorista que comete infrações.

A secretaria dos Transportes informa que todos os 27 novos pontos com radares em operação estão sinalizados.

radar transito São Paulo arte

Só fiscalização não reduz acidentes, diz engenheiro

cialista em trânsito Paulo Roberto Lozano, multas registradas por dispositivos eletrônicos não se traduzem em uma redução significativa no número de  acidentes e de vítimas.

De acordo com Lozano, a fiscalização com o objetivo de diminuir acidentes só será efetiva se fizer parte de  um sistema integrado que combine tecnologia, policiamento e, principalmente, uma política de trânsito. “É preciso fazer da segurança no trânsito uma prioridade. Hoje ela não é. A Política Nacional de Trânsito continua engavetada em Brasília.”

Lozano diz que delegar a vigilância do trânsito aos agentes da CET é um erro. Ele afirma que o policiamento ostensivo tem mais efetividade. “Com o novo Código de Trânsito isso foi abandonado. Os agentes de não fiscalizam. Eles podem no máximo registrar a ocorrência. Um policial militar pode checar a situação do motorista e a documentação do carro.” 

[poll id=”278″]

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo