Reunião definirá auxilio de segurança federal no Rio de Janeiro

Por fabiosaraiva
Contêiner da UPP Arará/Mandela foi substituído | Daniel Marenco/Folhapress  Contêiner da UPP Arará/Mandela foi substituído | Daniel Marenco/Folhapress

Uma nova reunião entre representantes do Governo do Estado do Rio de Janeiro e dos ministérios da Justiça e da Defesa será realizada nesta segunda-feira no Centro Integrado de Comando e Controle para definir os detalhes do auxílio federal na segurança do Rio.

Vão participar da reunião o governador Sérgio Cabral; o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo; o chefe do Estado-Maior conjunto das Forças Armadas, general José Carlos de Nardi; o secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, além do comandante-geral da PM (Polícia Militar), coronel Luís Castro de Menezes, e o chefe de Polícia Civil, delegado Fernando Veloso.

O apoio ficou acertado depois de uma reunião do governador com a presidente Dilma Rousseff, no Palácio do Planalto, em Brasília, na sexta-feira. Os ministros da Justiça, José Eduardo Cardozo, e da Defesa, Celso Amorim, também participaram da reunião.

Cabral disse que a segurança pública do Rio está em alerta máximo desde quinta-feira, quando três UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) foram atacadas.

O mais grave foi em Manguinhos, na zona norte, onde o comandante da UPP do Mandela foi baleado na perna e a base da unidade ficou completamente incendiada. O capitão Gabriel Toledo foi operado no hospital Central da PM na mesma noite e passa bem. “Solicitamos o apoio do governo federal para o combate ao crime organizado, que tem tentado causar pânico”, disse Cabral.

Os outros dois ataques aconteceram na UPP Camarista Méier, localizada no Complexo do Lins,  e no Complexo do Alemão. Um ônibus ainda foi incendiado no Méier, mas a PM não confirmou a relação do caso com os ataques às bases de UPPs.

 

Policial circula pelas vielas da Maré | Daniel Marenco/Folhapress Policial circula pelas vielas da Maré | Daniel Marenco/Folhapress

Polícia ocupa comunidades

O Comando de Operações Especiais, que inclui os batalhões de Operações Especiais (Bope), de Ações com Cães (BAC) e Grupamento Aeromóvel (GAM), ocupou, no fim de semana, as favelas Parque União e Nova Holanda, no Complexo da Maré, zona norte do Rio de Janeiro, por tempo indeterminado.

O porta-voz da PM, tenente-coronel Cláudio Costa, em vídeo, relatou as operações policiais que as duas comunidades mais as dos morros do Juramento e Juramentinho, em Vicente de Carvalho, Para Pedro, no bairro de Colégio, e Chapadão, em Costa Barros, ficarão ocupadas por tempo indeterminado.

 

Ordem de presídios

De acordo com o secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, a ordem para os ataques às UPPs partiram de chefes de uma facção do tráfico que estão dentro de um presídio federal.

Por causa da onda de ataques, o comandante da Coordenadoria de Polícia Pacificadora, coronel Frederico Caldas, se reuniu com comandantes regionais de UPPs para traçar metas de reforço no patrulhamento. “Foram ataques orquestradas”, avaliou.

 

Loading...
Revisa el siguiente artículo