Mais três homens são detidos por molestar passageiras

Preso diz que superlotação favorece o assédio | André Porto/Metro Preso diz que superlotação favorece o assédio | André Porto/Metro

A polícia prendeu nesta quinta-feira mais três homens acusados de molestar ou filmar as partes íntimas de mulheres dentro de vagões do metrô e da CPTM. Ao todo, 20 homens foram detidos neste ano por atos obscenos contra passageiras dentro de vagões do sistema.

Segundo o delegado Cicero da Costa, policiais à paisana estão sendo colocados em vagões do metrô e da CPTM para flagrar homens que tentam abusar de mulheres. A ação já ocorre há mais de duas semanas.

Costa diz os seguranças das duas companhias também colaboram na investigação dos policiais. “A orientação é para que todos ouçam e vejam o máximo possível, para que se identifiquem as situações”, afirmou.

Ao ser preso na segunda-feira, na estação Tatuapé da CPTM, o estudante de administração Adilton dos Santos, de 29 anos, afirmou que foi influenciado por páginas das redes sociais. Segundo ele, as páginas, com vídeos de mulheres nos vagões, e a superlotação o estimularam a cometer o crime.

Vagões só para mulheres

Em outubro do ano passado, um projeto de lei que obriga uma quota de ônibus e vagões de trens e metrô para mulheres foi aprovado, por unanimidade, em uma primeira votação, pelos vereadores de São Paulo.

O projeto está parado, desde então. Para começar a valer, ele ainda precisa ser aprovado em uma segunda votação – sem data prevista. Se aprovado, o texto chega às mãos do prefeito, que pode sancionar ou vetar o projeto.

Em nota, o Metrô e a CPTM dizem que a medida é operacionalmente inviável, porque apenas 58% dos passageiros são mulheres, além de “infringir o direito de igualdade entre gêneros e à livre mobilidade”.

O projeto copia um modelo já adotado pelo Rio de Janeiro há 8 anos.

Loading...
Revisa el siguiente artículo