Aumento de piso salarial é aceito e garis encerram greve no Rio

Por fabiosaraiva
Lixo acumulado em praia do Rio durante greve dos garis | Sergio Moraes/Reuters Lixo acumulado em praia do Rio durante greve dos garis | Sergio Moraes/Reuters

Depois de oito dias, enfim terminou a greve dos garis no Rio de Janeiro. Em uma tensa e conturbada assembleia, a categoria pressionou a Comlurb que aceitou pagar um piso salarial de R$ 1.100. A paralisação começou em 1º de março, no sábado de Carnaval, e deixou a cidade repleta de lixo.

Além do piso, que antes era de R$ 803, a prefeitura elevou o valor do vale refeição, de R$ 12 para R$ 20 por dia.

Estiveram presentes na reunião: o presidente da Comlurb, Vinícius Roriz; o chefe da Casa Civil, Pedro Paulo; o procurador-geral do Município, Fernando Dionísio; presidente do Sindicato de Empregados de Empresas de Asseio e Conservação, Luciano David Araújo, e o vice-presidente Antônio Carlos da Silva; o presidente do TRT, Carlos Alberto Araújo Drummond; a vice Maria das Graças Cabral Viegas Paranho; e a procuradora regional do Trabalho Débora da Silva Félix.

Loading...
Revisa el siguiente artículo