Ação da ‘Tropa do Braço’ foi um sucesso, diz Polícia Militar

Por Caio Cuccino Teixeira
Ao menos 262 pessoas foram detidas durante protesto contra a Copa do Mundo, em São Paulo | Paulo Whitaker/Reuters Ao menos 262 pessoas foram detidas durante protesto contra a Copa do Mundo no sábado, no centro de  São Paulo | Paulo Whitaker/Reuters

A ação da PM (Polícia Militar) no protesto “Não vai ter Copa” foi classificada como um “sucesso” neste domingo pelo coronel Celso Luiz Pinheiro. O ato, que reuniu cerca de 1,5 mil pessoas na região central da cidade no sábado, terminou com oito feridos e agências bancárias e orelhões depredados.

Esta foi a primeira vez que a PM utilizou a chamada “Tropa do Braço”, composta por 140 policiais não armados com treinamento em artes marciais. Segundo Pinheiro, com essa tática, o uso de armas químicas e balas de borracha foi reduzido ao mínimo.

Ao menos 262 pessoas foram detidas e encaminhadas para DPs (Distritos Policiais) da cidade. Todos foram liberados entre a noite de sábado e a manhã de domingo. Manifestantes e jornalistas afirmam que policiais detiveram pessoas que não estavam cometendo nenhum ato de vandalismo nem usando máscaras. Fotógrafos e manifestantes com câmeras tiveram os equipamentos quebrados.

No total, oito pessoas ficaram feridas. Dentre eles, dois manifestantes, cinco policiais e um jornalista.

Pinheiro se desculpou no domingo por possíveis excessos da PM. “Fica muito difícil nós separarmos manifestantes de repórteres. Muitos jornalistas usam máscaras, óculos e capacetes”.

O ato começou por volta das 17h, na praça da República. Para controlar os 1,5 mil manifestantes, a PM deslocou 2,3 mil homens.

Quando manifestantes mascarados bloquearam a avenida São Luís, nas proximidades da praça da República, a PM cercou o grupo. Segundo Pinheiro, policiais infiltrados no grupo alertaram a PM sobre o momento em que eles iriam começar o quebra-quebra. Alguns conseguiram escapar do cerco e depredaram agências bancárias e orelhões.

A manifestação de sábado foi a segunda contra a realização do mundial de futebol no Brasil.

O primeiro ato, no dia 25 de janeiro, terminou com o estoquista Fabrício Proteus Chaves, de 22 anos, baleado por PMs.

[poll id=”202″]


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo