Polícia mineira compara assaltantes de banco a "cangaceiros"

Por Tercio Braga
Policiais revistam carro apreendido | Filipe Teófilo/Sigmapress/Folhapress Policiais revistam carro apreendido | Filipe Teófilo/Sigmapress/Folhapress

A polícia deve divulgar nos próximos dias a identidade dos mortos no confronto, na madrugada do último sábado, em Itamonte, no sul de Minas Gerais. A polícia compara a “cangaceiros” os integrantes da quadrilha, de alta periculosidade, que praticou mais de 20 assaltos a caixas eletrônicos nos últimos meses.

O bando agia em pequenas cidades da divisa entre São Paulo e Minas Gerais e foi desarticulado em uma ação das policias dos dois estados. Os ladrões agiam com armamento pesado como fuzis usados em guerra, pistolas e revólveres.

De acordo com o delegado titular do Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais), fechavam as principais entradas e saídas dos municípios para agir. Wagner Giudice explicou que a quadrilha é uma das mais violentas que ele já viu, pois que executavam quem tentasse ultrapassar os bloqueios.

O caso

A polícia já investigava os assaltantes há dez dias e esperava essa ação em Itamonte. Após explodirem um caixa eletrônico na cidade, eles foram surpreendidos pelos policiais e houve troca de tiros.

Nove bandidos morreram e quatro ficaram feridos; pelo menos seis criminosos conseguiram fugir. Com os suspeitos foram apreendidos fuzis, pistolas, dinamites e sete veículos usados no crime.

Três policiais foram atingidos durante a operação, um deles permanece internado em estado grave. Um dos líderes, conhecido como Alemão, foi detido horas depois em um condomínio de alto padrão em Arujá com cerca de R$ 6 mil e vários veículos.

O delegado Ruy Ferraz Fontes explica que o bando era muito organizado e agia pensando nos mínimos detalhes. Segundo as investigações, além de roubar os cinco caixas eletrônicos da cidade a quadrilha também planejava dominar o pelotão da Polícia Militar local.

A quadrilha é a mesma que explodiu 15 caixas eletrônicos na cidade de Piracaia, no ultimo dia 15. Na ação os criminosos trocaram tiros com a polícia e acabaram ferindo dois moradores.

Veja também:

A polícia identificou os corpos dos nove suspeitos mortos durante operação no final de semana em Itamonte, no sul de Minas Gerais. Quatro eram de São Paulo, três de Mogi das Cruzes, um de Campinas e um de São José do Rio Preto. A décima vítima é um professor, que foi usado como escudo por um dos criminosos e acabou sendo baleado.

Reportagem de Lucas Martins


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo