Caio e Fábio são indiciados por homicídio doloso de Santiago

Por george.ferreira

Após concluir o inquérito sobre a morte do cinegrafista da Band Santiago Andrade, a Polícia Civil do Rio indiciou Caio Silva de Souza e Fábio Raposo pelo crime. Os dois vão responder por homicídio doloso, quando há intenção de matar, e crime de explosão.

Se ambos forem condenados, a pena pode chegar a 35 anos de prisão. O delegado responsável pelo caso, Maurício Luciano, ainda pediu a manutenção das prisões preventivas de Caio e Fábio, que podem ser prorrogadas até o julgamento. Os dois estão detidos no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Versão de presos são divergentes

Os dois presos pela morte do cinegrafista divergem sobre quem disparou o rojão que matou Santiago Andrade. Em depoimento à polícia, Caio de Souza culpou Fábio Raposo por ter acendido a bomba. Segundo o recepcionista de hospital, foi Raposo quem acendeu o rojão e o que o incentivou a dispará-lo. Já o tatuador afirma que encontrou o objeto no chão e depois da insistência de Caio, entregou o artefato para que ele disparasse.

 

 

Confira, abaixo, a opinião da Band sobre o crime contra o cinegrafista Santiago Andrade:

A morte do nosso colega Santiago Andrade revolta, emociona e… Escancara a necessidade de uma resposta eficiente. E com coragem – o que parece ter faltado às autoridades desde o início dessa onda de violência, quando deveriam ter tomado providências que poderiam ter evitado a tragédia. Se as ameaças mais do que evidentes, que já se espalhavam pelas nossas cidades, não foram suficientes para convencer os governantes a agir com vigor… Agora, mesmo tardiamente e com a paciência da população esgotada, não há mais cabimento em adiar ou sonegar soluções. O país, indignado, já não aceita a omissão e a condescendência diante da violência mascarada – e, conforme denúncia, remunerada – que impera nas ruas. O que se exige é mais do que uma legislação rigorosa, que demora a sair. E mais do que o processo contra os assassinos presos. Mas também – após investigação e comprovação – o nome, a cara e a prisão de seus possíveis financiadores. Esta é a opinião do Grupo Bandeirantes.

 

 

O caso

O cinegrafista Santiago Andrade, de 49 anos, foi atingido na cabeça por um rojão durante um protesto contra o aumento da passagem de ônibus no Rio de Janeiro. O caso aconteceu na última quinta-feira e, na segunda-feira, ele teve morte cerebral constatada.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo