Cracolândia encurrala idosos dentro de casa de repouso

Por george.ferreira

Idosos que moram em um asilo da prefeitura estão encurralados depois da migração de centenas de usuários de crack para a calçada em frente à casa de repouso, no centro de São Paulo.

Há cerca de 20 dias, os 100 idosos da “Morada Nova Luz” – todos com idades acima dos 65 anos – estão sitiados no prédio, agora cercado por um grande grupo de usuários de crack. Segundo funcionários do asilo, que é público, os idosos têm tido o estado de saúde prejudicado por causa do barulho das centenas de pessoas reunidas durante toda a madrugada.

A maioria dos moradores também não sai mais do imóvel por medo de furtos, que se tornaram frequentes no endereço: a esquina da Rua Helvétia com a avenida Rio Branco. Os funcionários da casa de idosos preferiram não gravar entrevista.

Mas uma das moradoras do bairro Campos Elíseos, Noemi Silveira, vem acompanhando a situação de perto e descreve uma nova migração de usuários desde o início do novo programa da prefeitura de recuperação de dependentes. “Esses usuários estão sendo jogados de um lado para outro. Os do programa [Braços Abertos] permanecem na Dino Bueno por causa dos hotéis. Agora, aqueles que não estão no programa uma hora estão na esquina, outra no outro. Então eles se apossam de determinado local”.

O presidente do Conselho de Segurança de Santa Cecília e Campos Elíseos, Fábio Fortes, acredita que as novas medidas que tentam recuperar dependentes químicos não estejam funcionando. “No nosso caso, de quem mora naquela região, de quem trabalha é uma questão de Segurança Pública porque nada ali consegue funcionar. Muitas são as iniciativas tomadas pelas autoridades falando da revitalização do centro porque me parece que todas são inócuas. Todas elas fazem a perpetuação e a manutenção dessa população naquela região”.

O artigo nono do estatuto do idoso prevê como obrigação do Estado garantir à pessoa idosa a proteção à vida e à saúde, mediante políticas públicas que permitam um envelhecimento saudável e em condições de dignidade.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo