Veja a repercussão da morte de Santiago Andrade, cinegrafista da Band

Por fabiosaraiva

12717_413978282080821_1876941334_n

A morte cerebral do cinegrafista da Band, Santiago Andrade, repercute na imprensa internacional. A rede britânica BBC noticiou a morte cerebral de Santiago e destacou que outras seis pessoas ficaram feridas durante o protesto da última quinta-feira, na estação Central do Brasil, no Rio de Janeiro.

Leia mais
• Nota oficial da Band sobre a morte de Santiago Andrade
• PF também vai investigar morte de cinegrafista, afirma Dilma

O jornal americano “The Wall Street Journal” afirmou que a morte do cinegrafista aumenta a preocupação sobre a segurança no Brasil que vai sediar a Copa do Mundo este ano. Segundo o jornal, os “manifestantes prometeram usar o Mundial como palco para expressar suas queixas”.

O equatoriano “El Comercio” disse que a tragédia levou diversas associações de empresários e profissionais da imprensa a cobrar ações das autoridades para identificar os responsáveis e evitar casos similares no futuro. O periódico destacou o comunicado da Arfoc – Associação dos Repórteres Fotográficos e Cinematográficos do Rio – que acusou diretamente os “Black Blocs” pela morte de Santiago.

O francês “Le Figaro” noticiou que um homem foi preso depois de confessar que entregou o artefato a outro manifestante, antes dele ser acionado e atingir o cinegrafista.

Em nota divulgada na tarde desta segunda-feira, a Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão) manifestou consternação com morte do cinegrafista Santiago Andrade, da Band

Leia a íntegra da nota:

A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão manifesta sua consternação com a morte do cinegrafista Santiago Andrade, da TV Bandeirantes, nesta segunda-feira, 10, no Rio de Janeiro.

Andrade foi atingido por um rojão quando cobria um protesto contra aumento da passagem de ônibus, na última quinta-feira, no centro do Rio.

A morte do cinegrafista deve fazer com que, em grandes eventos públicos, os governos e os órgãos de segurança adotem procedimentos capazes de garantir o trabalho de profissionais de imprensa, que cumprem sua importante missão de informar e, da mesma forma, a livre e pacífica manifestação dos cidadãos.

O assassinato de um jornalista como Andrade impõe grave prejuízo ao conjunto da sociedade, que tem violado seu direito fundamental de acesso à informação.

A Abert espera das autoridades rigorosa apuração deste crime para que se evitem novos atentados contra a liberdade de expressão e a democracia.  

Daniel Pimentel Slaviero 

Presidente

A ABERT é uma organização fundada em 1962, que representa 3 mil emissoras privadas de rádio e televisão no país, e tem por missão a defesa da vigência da liberdade de expressão em todas as suas formas.

A Abraji também se manifestou

Leia abaixo a nota de protesto da Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo)

A Abraji lamenta a morte cerebral do cinegrafista Santiago Ilídio Andrade confirmada nesta segunda-feira (10.fev.2013) e se solidariza com familiares, amigos e colegas do profissional. Santiago foi ferido na cabeça por um rojão na noite de quinta-feira (6.fev.2014). Ele cobria uma manifestação, na região central do Rio de Janeiro, contra aumento das passagens de ônibus. A investigação da polícia aponta manifestantes como os responsáveis pela compra e disparo do rojão.

É o primeiro caso fatal envolvendo jornalistas atacados durante os protestos de rua, mas os incidentes têm se multiplicado. Desde junho de 2013, a Abraji alerta para a escalada de violência e violações contra profissionais da imprensa. Desde que esta onda de protestos começou até o anúncio da morte de Santiago Ilídio Andrade, houve 117 casos de agressão, hostilidade – tanto por manifestantes quanto por policiais – ou detenção de jornalistas.

A violência sistemática contra profissionais da imprensa constitui atentado à liberdade de expressão. É preciso que o Estado (Executivo e Judiciário) identifique, julgue e puna os responsáveis pelos ataques.

Leia também
• Filha de cinegrafista da Band divulga carta após morte

• Advogado quer acordo para que tatuador ajude a polícia


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo