Ministério Público quer garantir circulação de ônibus em SP

Por george.ferreira

O MP-SP (Ministério Público de São Paulo) exigiu a manutenção da operação do transporte público na cidade, que vem sendo prejudicada em função dos ônibus depredados e incendiados neste mês. Coletivos das linhas que atendem regiões periféricas, onde ocorreram os ataques, não têm chegado até o ponto final ou estão completamente fora de operação, em razão do medo de novos ataques.

Na noite desta quarta-feira, cinco linhas da zona sul não funcionaram ou saíram de circulação, afetando moradores de áreas como Jardim Jacira e Jardim Horizonte Azul, distantes cerca de 30 quilômetros do centro da capital.

Motoristas e cobradores sentem medo

De acordo com a SPTrans (São Paulo Transporte), foram prejudicados aproximadamente 120 mil passageiros. O medo tomou conta, nesta quarta, de motoristas e cobradores após manifestantes atearem fogo em um ônibus que passava pela Estrada do M’Boi Mirim, que dá acesso ao extremo sul, por volta das 12h. O grupo, que protestava pela morte de um homem, interditou a via e gritou palavras de ordem como “justiça”. Esse foi o 33º coletivo incendiado somente em janeiro.

Segundo o MP-SP, foram enviadas notificações da Promotoria da Cidadania, para saber quais providências estão sendo tomadas pela SPTrans, pelas concessionárias e permissionárias do transporte coletivo e pela coordenadoria da Polícia Militar. As medidas devem ser apresentadas em uma audiência marcada para o dia 3 de fevereiro

O secretário da Segurança Pública, Fernando Grella Vieira adiantou que haverá reforço no policiamento dos ônibus, com apoio da Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar e do 2° Batalhão de Choque.

Ônibus estão deixando de circular por conta de ataques:

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo