Secretário afirma que jovem alvejado por PMs portava estiletes

Por fabiosaraiva
Protesto em frente à santa casa | Nelson Antoine/Fotoarena/Folhapress Protesto em frente à santa casa | Nelson Antoine/Fotoarena/Folhapress

O secretário da Segurança Pública, Fernando Grella, e o comandante-geral da PM, Benedito Meira, saíram nesta segunda-feira em defesa dos policiais que balearam o estudante Fabrício Proteus Nunes Chaves, de 22 anos, sábado à noite. O caso ocorreu na rua Sabará, em Higienópolis, após um protesto contra a Copa do Mundo.

Grella apresentou fotos do material que teria sido apreendido com o jovem: dois estiletes, uma chave de grifo e produtos supostamente utilizados para confecção de bombas caseiras. “A polícia agiu corretamente. Ela tem que interceder quando há uma quebra da ordem.”

Meira afirmou que os policiais agiram em legítima defesa. “A ação está respaldada pelo direito penal. Seria diferente se o policial tivesse efetuado 10, 12 disparos”, disse o comandante da PM.

Segundo ele, Fabrício e um amigo foram perseguidos da rua da Consolação até o local onde o jovem foi alvejado.

Para o especialista em segurança Guaracy Minguardi, houve excesso por parte dos PMs na abordagem ao estudante e que outros métodos poderiam ter sido adotados para imobilizá-lo.

Membro do Fórum Brasileiro de Segurança,o advogado Rafael Alcadipani diz que é preciso cobrar do Estado transparência nos inquéritos abertos pela Corregedoria da PM e pela polícia civil.

Imagens de câmeras de segurança que mostram a perseguição ao jovem serão utilizadas na investigação.

Fabrício segue internado em estado grave na UTI da Santa Casa.

Fotos dos estiletes | William Volcov/Brazil Photo Press/Folhapress Fotos dos estiletes | William Volcov/Brazil Photo Press/Folhapress

O advogado da família do jovem disse que ele não faz parte dos grupos que adotam a tática black block. No entanto, em sua página no Facebook, o jovem segue a página dos black blocs. “Ele participava do ato de forma pacífica. Foi uma ação desastrosa da polícia”, afirmou André Zanardo.

O irmão da vítima, Gabriel Chaves, afirmou que o jovem portava um estilete  porque trabalha como estoquista e usa o instrumento para abrir caixas.

Veja o vídeo:

 

 

‘Só corri para tirar a família do carro’

Jovens lançaram no Facebook uma campanha na internet  busca arrecadar R$ 10 mil para o serralheiro Itamar Santos, que teve seu fusca incendiado durante o protesto contra a Copa do Mundo, no sábado.

O carro pegou fogo após Santos passar sobre um colchão em chamas, jogado por jovens que participavam do ato. “Não tenho nada com isso de Copa. Só corri para tirar minha família do carro.”

Até a noite desta segunda-feira, a página havia arrecado R$ 150.

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse ontem que pedirá uma investigação sobre o modo como a PM realizou o socorro de Fabrício Proteus Nunes Chaves, após o jovem ser baleado.

De acordo com uma determinação da Secretaria da Segurança Pública, feridos após confrontos com a polícia só podem ser socorridos por equipes do Samu. Testemunhas da ação afirmaram que o jovem foi levado por policiais 20 minutos após ser alvejado. Uma equipe do Samu chegou ao local logo após a saída da PM.

 

Dilma marca reunião de emergência 

A presidente Dilma Rousseff convocou uma reunião de emergência para definir quais medidas de segurança devem ser tomadas para evitar um acirramento dos protestos contra a Copa do Mundo. O encontro foi definido após o desfecho violento do ato de sábado.

Em viagem oficial a Cuba, a presidente retorna ao país nesta quarta-feira, quando receberá os ministros José Eduardo Cardozo (Justiça), Celso Amorim (Defesa) e Aldo Rebelo (Esportes). O governo quer definir uma pacote de ações de segurança.

 

Anonymous hackeia site do governo de SP

Uma conta de e-mail do governo de São Paulo foi hackeada na tarde desta segunda-feira pelo grupo Anonymous, conhecido por atacar  sites de governos e empresas.

Em uma mensagem enviada a endereços cadastrados na conta invadida, o texto da assessoria de imprensa do Estado foi substituído pela seguinte mensagem: “system hacked! Parece que o governo do estado de São Paulo foi Hackeado. A grande  velha mídia pode até ser deles. Mas a internet é nossa”, assinado @AnonManifest.

Em sua página na internet, o Anonymous assumiu que hackeou o governo de São Paulo. No endereço, o grupo diz que a medida foi uma resposta à violência do Estado. “A paz acaba quando a repressão começa.”

O governo confirmou a invasão, mas disse que o problema só afetou o sistema de gerenciamento e envio de e-mail. As contas no Twitter e no Facebook não registram invasões.  Segundo o governo, a falha que permitiu o ataque será investigada e medidas de proteção serão adotadas.

[poll id=”179″]

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo